Pandemia

Menor número de mortes desde novembro em dia com 1160 casos de covid

Menor número de mortes desde novembro em dia com 1160 casos de covid

Portugal reportou, esta quinta-feira, 49 mortes por covid-19, num dia com mais 1160 casos da doença.

Os dados atualizados, esta quinta-feira, no boletim da Direção-Geral da Saúde (DGS), registam um total de 16185 mortes e 801746 casos associados à doença, contando já com os 49 óbitos e 1160 testes positivos reportados nas últimas 24 horas.

O número de óbitos, 49, é menor que os 50 de quarta-feira e o mais baixo desde 8 de novembro, quando foram registados 48 mortes. Os casos desceram para quase metade dos reportados há uma semana, quando o boletim registou 1944 testes positivos e 105 óbitos.

As quintas-feiras costumam ser dos dias da semana com mais casos de covid-19. Se servirem de barómetro, os números desta quinta-feira, a última do mês, mostram que talvez sejamos mesmo dos melhores do mundo a controlar a terceira vaga, como anteviu o virologista Pedro Simas, no início do mês.

A 4 de fevereiro, primeira quinta-feira do mês, foram reportados 7914 casos de covid-19. Número que caiu para metade uma semana depois (3840) e voltou a quebrar, outra vez, para quase metade, mais sete dias volvidos, para 1944 positivos, no dia 18. Hoje, foram 1160, pouco mais de metade dos quase dois mil de há oito dias, cerca de sete vezes menos do que no início do mês.

O número de óbitos também caiu, para pouco mais de um quarto, de 225 a 4 de fevereiro para 49 hoje, cifra que é menos de metade dos 105 óbitos registados na passada quinta-feira.

PUB

Alívio também nos hospitais, com menos 154 pessoas hospitalizadas. Dos 2613 doentes internados em Portugal, segundo os dados mais recentes, 536 estão em unidades de cuidados intensivos (UCI), menos 31 do que ontem.

O total de hospitalizados é o menor desde 8 de novembro, quando os hospitais acolhiam 2425 pacientes covid (378 em UCI). Entre os doentes mais graves, a descida é menos acentuada, com números similares aos registados no fim de novembro de 2020.

Segundo o boletim da DGS, mais 2659 pessoas foram consideradas recuperadas da doença (711713 desde o início da pandemia), enquanto o número de doentes ativos caiu para 73848 (menos 1548 nas últimas 24 horas), menos de metade dos 179180 infetados registados a 1 de fevereiro.

Mais de metade dos óbitos registados na região de Lisboa

Mais de metade dos 49 óbitos reportados esta quinta-feira foram registados na Região de Lisboa e Vale do Tejo (RLVT). Perderam-se 28 vidas, nas últimas 24 horas, no entorno da capital (6758 desde o início da pandemia, de um total de 303331 infeções - 546 das quais nas últimas 24 horas.

A Região Norte registou 11 óbitos, o número mais alto da semana, a primeira vez que passa os dois dígitos desde segunda-feira. Com mais 326 casos, menos um do que ontem, são agora 325558 o total de infeções reportadas na zona mais setentrional do país, que acumula 5186 óbitos desde o início da pandemia.

A Região Centro reportou cinco mortes, o menor número desde 9 de novembro, e 137 casos. No total, morreram 2882 pessoas naquela zona do país, de 114580 infeções reportadas desde o início da pandemia.

Para sul, o Alentejo soma 28330 casos e 935 óbitos, contando com os 22 positivos e dois óbitos das últimas 24 horas. Período no qual o Algarve registou 45 infeções e três mortes, para totais de 19989 casos e 335 falecimentos.

Nas ilhas não houve mortes por covid nas últimas 24 horas. Os Açores somaram o 15.º dia seguido sem óbitos e registaram três casos positivos, o mesmo valor dos dois dias anteriores, para totais de 3731 infeções e 28 mortes, desde o início da pandemia.

Na Madeira foram reportados 81 casos, quase o dobro dos 45 de ontem, com os totais, agora, em 6227 testes positivos e 61 óbitos desde o início da pandemia.

Mortes aumentam no escalão dos 70-79 anos

É sabido, desde a primeira morte, que vitimou um cidadão com mais de 80 anos, que os mais velhos são os mais afetados pela letalidade da doença. Dia após dia, o boletim da DGS evidencia essa realidade. Esta quinta-feira não é exceção: dos 49 óbitos, 30 (15 de cada género) eram pessoas com mais de 80 anos, uma faixa etária que representa 66% do total de óbitos desde o início da pandemia (10747 no total).

O que se nota, no boletim desta quinta-feira, é a tendência de aumento da letalidade noutras faixas etárias. Por exemplo, entre os septuagenários, que registaram 14 mortes (oito homens e seis mulheres), o que corresponde a mais de 28% do total diário, num escalão, dos 70-79 anos, que corresponde a 20% das mortes, em termos globais - 3393 desde o início da pandemia.

Entre as pessoas com mais de 60 anos e menos de 70, foram reportadas quatro mortes (um homem e quatro mulheres), num escalão que perdeu 1421 pessoas desde o início da pandemia.

Foi ainda registada a morte de um homem na faixa etária dos 50-59 anos, escalão que perdeu 423 vidas desde o início da pandemia.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG