Covid-19

Número mais baixo de infetados e de internados desde novembro

Número mais baixo de infetados e de internados desde novembro

Morreram 33 pessoas em Portugal nas últimas 24 horas, período no qual se registaram 1071casos de covid-19. Números de infetados e internados descem para registos de novembro.

Portugal perdeu 16276 vidas desde o início da pandemia, há quase um ano, 33 das quais nas últimas 24 horas, o registo de óbitos mais baixo desde 3 de novembro, dia em que foram reportadas as mesmas mortes. Segundo o boletim diário da Direção-Geral da Saúde (DGS), deste sábado, há mais 1071 pessoas infetadas com covid-19, para um total de 803844 desde 2 de março, quando foram registados os dois primeiros casos da doença no país.

De acordo com a DGS, há menos 224 pessoas internadas nos hospitais portugueses, com o total a descer para 2180, número mais reduzido desde os 2122 de 1 de novembro de 2020. Os doentes graves também são menos 30 do que ontem, com as Unidades de Cuidados Intensivos (UCI) a registarem 492 internados, o número mais baixo desde 2 de janeiro. O máximo chegou às 904 camas de UCI ocupadas, a 28 do primeiro mês deste 2021.

O total de casos ativos de covid-19, à data do fecho dos dados do boletim deste sábado, é de 70255 (menos 1782 do que ontem), em mais um dia em que o total de recuperados, 2820, é superior ao de infetados. Os contactos sob vigilância desceram em 4676, para 48490.

Um olhar aos números mostra que o total de doentes infetados com SARS-CoV-2 caiu para registos inferiores a 5 de novembro, quando havia 67157 pessoas com aquela doença em Portugal.

Lisboa com mais de metade dos óbitos, que caem quase um décimo

PUB

Num dia em que o total de óbitos, 33, caiu para um cerca de décimo dos 303 de há um mês, a Região de Lisboa e Vale do Tejo (LVT) reportou 19 mortes, o número mais baixo do ano, ainda assim correspondente a mais de metade do total registado no boletim da DGS deste sábado. O entorno da capital regista 6805 vidas perdidas desde o início da pandemia, de um acumulado de 304277 casos de covid-19, 536 este sábado, 11.º dia seguido com menos de mil casos diários.

A Região Norte, a primeira a enfrentar o vírus, há um ano, acumula 326075 casos de covid-19, 267 nas últimas 24 horas, somando o 13.º dia seguido com menos de 500 infeções. Desde o início da pandemia, a região mais setentrional do país chora a perda de 5201 vidas para a doença, quatro nas últimas 24 horas, registo mais baixo desde idêntica cifra, a 21 de outubro.

Na Região Centro, foram cinco as vítimas mortais, com o total de óbitos a ascender a 2900 desde o início da pandemia, para um acumulado de 114860 casos de covid-19, 140 nas últimas 24 horas.

O Alentejo reportou três mortes (944 no total) e 28 infeções (28409 desde o início da pandemia), enquanto o Algarve acumula 337 óbitos, dois nas últimas 24 horas, e 20066 infeções, mais 23 de acordo com o boletim mais recente da DGS.

Nas ilhas não há óbitos a registar, com os Açores a reportarem quatro casos de covid-19 nas últimas 24 horas, para um acumulado de 3734 infeções e 28 mortes desde o início da pandemia.

Na Madeira há mais 73 casos, contra 123 ontem, com o total de infeções a ascender a 6423 desde o início da pandemia, a qual ceifou 61 vidas na "Pérola do Atlântico".

Mortes entre os mais velhos caem para menos de metade do total

Pode apenas ser uma anomalia estatística decorrente da redução de mortes, mas pela primeira vez, em meses, a percentagem de óbitos entre pessoas com mais de 80 anos é inferior a 50%, numa faixa etária que representa 66% do total de óbitos desde o início da pandemia, traduzido em 10795 vidas perdidas, das 16276 que a covid-19 levou.

De acordo com o boletim mais recente da DGS, morreram 15 octogenários (oito homens e sete mulheres) nas últimas 24 horas, 45% do total de 33 mortes reportadas neste período. Os estudos futuros dirão se é já uma consequência da vacinação encetada neste grupo ou apenas uma curiosidade estatística.

A faixa etária precedente, dos 70-79 anos, é mais afetada pela letalidade da pandemia nas últimas 24 horas, ao reportar 13 óbitos (sete homens e seis mulheres), o que, estatisticamente, equivale a 40% das mortes das últimas 24 horas, num escalão que perdeu 3422 vidas desde o início da pandemia, 21% do total desde o início da pandemia, e na qual foram vacinados apenas os doentes crónicos ou pessoas consideradas prioritárias.

Na faixa etária dos 60-69 anos foi reportada a morte de três mulheres nas últimas 24 horas. Em termos estatísticos, 9% do total diário, num escalão que regista 1431 mortes desde o início da pandemia, cerca de 8% do total nacional.

Entre os "cinquentões", morreram um homem e uma mulher. Duas vidas que representam 6% do total diário, dado, posto desta forma, que parece relevante numa faixa etária, 50-59 anos, que totaliza 427 mortes desde o início da pandemia, menos de 3% do total nacional.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG