Covid-19

Novo máximo de doentes graves em dia com mais 258 mortes por covid-19

Novo máximo de doentes graves em dia com mais 258 mortes por covid-19

Portugal reportou, esta sexta-feira, 258 mortes associadas à covid-19, num dia com 6916 novos registos da doença provocada pelo novo coronavírus e novo máximo em UCI.

Com mais 258 mortes, são 13740 o total de óbitos registados desde o início da pandemia, enquanto o número total de infetados ultrapassou os 750 mil, 11 meses depois de registado o primeiro caso em Portugal.

Segundo o boletim da Direção-Geral da Saúde, esta sexta-feira, o número de doentes a lutar pela vida atingiu um novo máximo: 904, mais 41 do que na quinta-feira, enquanto o número de internados desceu pelo quarto dia consecutivo, para um total de 6412 pessoas hospitalizadas, menos 84.

Pela primeira vez Portugal passou a barreira dos 900 internados em Unidades de Cuidados Intensivos. Uma cifra, 904 doentes graves, atingida no final de uma semana com quatro dias seguidos de descida de internamentos hospitalares e marcada pela quebra do número de casos de covid, que desce pelo terceiro dia consecutivo, das mais de nove mil infeções na quarta-feira para as 6916 esta sexta-feira.

O número de infetados reportado hoje representa cerca de metade dos casos reportados na sexta-feira da semana passada (12435). O registo de vítimas mortais, 258, também é inferior ao reportado há uma semana (293), apesar de ser o terceiro pior registo desde o início do mês, ao consubstanciar uma subida relativamente aos 225 casos quinta-feira, registo mais baixo desde 21 de janeiro, e aos 240 de quinta-feira.

Dois óbitos entre pessoas com menos de 40 anos

PUB

Num dia com mais 258 mortos, 172 (79 homens e 93 mulheres) dos quias com mais de 80 anos, o que equivale a 67% do total diário, foram reportadas as mortes de duas mulheres com menos de 40 anos - um alerta de que a covid-19, mais penalizadora entre os idosos, também é fatal para mais jovens.

São menos, mas são vidas que se perdem. Mais duas no escalão dos 40-49 anos, um de cada género, com o total a ascender 117 óbitos nesta faixa etária desde o início da pandemia. No escalão seguinte, há mais cinco vítimas a lamentar (três homens e duas mulheres), para um acumulado de 351 óbitos entre as pessoas com mais de 50 anos e menos de 59.

No escalão dos 60-69 anos foram reportados 28 óbitos, 19 homens e nove mulheres, para um total de 1177 desde o início da pandemia, enquanto na faixa etária seguinte, dos 70-79 anos, há a lamentar a perda de 49 vidas, 30 do sexo masculino e 19 do feminino - 2812 óbitos no total. O escalão das pessoas com mais de 80 anos perdeu 9237 vidas desde o início da pandemia, já contados os 172 óbitos reportados até à meia-noite de quinta-feira, quando fecharam os números apresentados no boletim da DGS divulgado esta tarde de sexta-feira.

Lisboa com mais óbitos...

Acentuando uma tendência que vem desde o início do ano, a Região de Lisboa e Vale do Tejo (RLVT) é a mais afetada pela letalidade da doença, tendo reportado 142 óbitos nas últimas 24 horas, o segundo pior dia da semana. No total, perderam-se 3650 vidas no entorno da capital, a zona do país que reportou mais mortes associadas à covid-19 desde o início da pandemia -5491 no total.

A Região Norte (RN) reportou 39 mortes, o registo mais baixo em semanas, numa cifra que representa o terceiro dia seguido de diminuição do número de óbitos, que atingiu o total de 4734, desde o início da pandemia.

Na Região Centro (RC), a subida de 38 para 42 no registo de óbitos, de ontem para hoje, não belisca a tendência de descida registada desde o início do mês de fevereiro, na ressaca de um mês de janeiro particularmente letal naquela zona do país, que terminou com 77 mortes no dia 31.

Com 25 óbitos, um dos registos diários mais elevados de sempre, o Alentejo chora já a perda de 766 vidas desde o início da pandemia. Mais a Sul, no Algarve, morreram 10 pessoas, 244 no total.

Nas ilhas, a morte passou ao largo. Os Açores mantêm os mesmos 26 óbitos desde o início da pandemia, enquanto na Madeira morreram 46 pessoas desde março de 2020.

...e mais casos de covid-19

Com exceções pontuais durante o mês de janeiro, a RLVT tem sido a mais castigado pelo vírus praticamente desde o início do ano, somando o 12.º dia consecutivo como a região com mais casos no país. Ao anotar mais 3650 infeções, um pouco menos que as 3993 de quinta-feira, são agora 280114 o total de casos confirmados de covid-19 no entorno da capital.

No acumulado, é a Região Norte que vai na frente, com um total de 314865 casos de covid-19 desde o início da pandemia, já contabilizados os 1704 desta sexta-feira, um número ligeiramente abaixo dos 1704 reportados na quinta-feira.

No Centro, os registos mantêm-se acima dos mil pelo terceiro dia consecutivo, embora os 1050 casos desta sexta-feira signifiquem um decréscimo relativamente aos 1118 de quinta-feira. O total é, agora, de 107589 desde o início da pandemia.

O Alentejo registou 186 novos casos, o número mais baixo dos últimos 30 dias, tendo agora um acumulado de 26470 infeções, enquanto o Algarve reportou 202 infeções, quase metade das 387 de quinta-feira, para um acumulado de 18425.

Uma quebra acentuada registada também na Madeira, que reportou 107 casos esta sexta-feira, menos de metade do que os 264 de quinta-feira - no total são 4712 desde o início da pandemia. Nos Açores, foram anotadas 17 infeções, menos quatro do que na quinta-feira, com o acumulado nas 3599.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG