Polémica

Ordem dos Enfermeiros paga para ter personagem na nova novela da SIC

Ordem dos Enfermeiros paga para ter personagem na nova novela da SIC

A Ordem dos Enfermeiros patrocina um personagem na nova novela da SIC, "Nazaré". Uma polémica estéril, aos olhos da bastonária, que defende a medida como importante para a valorização da profissão.

A Ordem dos Enfermeiros assumiu o patrocínio de uma personagem na nova novela da SIC, "Nazaré". Um contrato de cerca de 44 mil euros, denunciado nas redes sociais, e justificado pela bastonária, ao JN.

"É uma forma de valorizar a profissão aos olhos da sociedade, que se enquadra numa das atribuições da Ordem", explicou a bastonária da Ordem dos Enfermeiros, Ana Rita Cavaco, em declarações ao JN. "Normalmente, quando há personagens de profissão há sempre erros, e também demos apoio nessa parte técnica do que era a personagem e do que a personagem ia fazer. Obviamente, com mensagens para valorizar e dignificar os enfermeiros, que muitas vezes, nas novelas e ficções são mal retratados", argumentou.

"Damos aconselhamento técnico e ainda pagamos 45 mil euros?", questiona Mário A. Macedo, que denunciou a situação, no Twitter. "Até admitia dar aconselhamento técnico à SIC, mas pagar 45 mil euros por isso é um mau negócio", acrescentou, em declarações ao JN.

"Não digo que é ilegal. Mas é estranho e uma opção duvidosa de gestão", argumenta Mário A. Macedo. "E não acho que dignifique em nada a enfermagem saber-se que a ordem paga dinheiro à SIC para ter uma personagem numa novela", acrescentou.

Os valores do contrato estão publicados no BASE, o portal de divulgação dos contratos públicos, sob a designação de "Serviços de promoção e difusão da profissão em programa televisivo", e custaram 36080 euros, a que acresce IVA a 23%, para um montante global de 44378,40 euros.

Leia aqui o contrato na íntegra.

"Esta personagem foi patrocinada", assume Ana Rita Cavaco, após contacto da produtora. Cláudia, interpretada por Liliana Santos, trabalha num centro de dia. "O facto de ser uma enfermeira da área social foi precisamente o que nos ajudou a tomar a decisão no Conselho Diretivo. Porque esta é uma área que está muito esquecida e muito abandonada", explicou Ana Rita Cavaco.

"Infelizmente, se os outros ganham mal, estes enfermeiros da área social chegam a levar para casa cerca de 800 euros líquidos", alerta Ana Rita Cavaco, justificando a inicitiva. "Ao fazermos este tipo de ações também estamos a sensibilizar as pessoas para os problemas da profissão. E quem pode pressionar os governos para mudar, são as pessoas, é a própria sociedade", argumenta Ana Rita Cavaco. O objetivo é chegar a quem decide.

"Sabemos que continua a haver algum preconceito da classe política quando chega a hora de tomar decisões, ou de distribuir aquilo que existe. Nunca se lembram dos enfermeiros na altura de fazer a valorização das carreiras ou a própria valorização salarial", argumenta a bastonária, sustentando que a novela "ajuda as pessoas a ficarem despertas para essa questão" e "contribui para informar as pessoas sobre o papel dos enfermeiros."

Uma opinião que não convence Mário A. Macedo. "Uma ordem que se quer científica, produtora dos melhores cuidados para oferecer aos utentes, que queira fazer avançar a saúde dos portugueses e dignificar a enfermagem depois perde-se a gastar dinheiro para comprar papéis em telenovelas da SIC e depois ainda pede aos enfermeiros para ver telenovelas. É isso que não faz sentido nenhum. Não há melhor sítio para gastar o nosso dinheiro?"

Enfermagem representada em duas novelas

A OE está envolvida, ainda, noutra novela, ainda por estrear, mas sem patrocínio, apenas com aconselhamento técnico, a pedido da produtora. A personagem é uma enfermeira especialista. No conjunto, as duas retratam "tudo o que os enfermeiros são hoje em dia", argumenta a bastonária.

"Temos enfermeiros e enfermeiros especialistas, embora, infelizmente com a categoria na carreira e sem a correspondente remuneração", acrescenta Ana Rita Cavaco. "Em qualquer país do mundo há uma diferenciação entre o que são os cuidados comuns e os especializados. Não compreendemos porque não nos pagam a diferenciação."

A nova carreira dos enfermeiros, publicada em maio, consagra três categorias profissionais (enfermeiro, enfermeiro especialista e enfermeiro gestor). Na categoria de especialista, os enfermeiros recebem uma remuneração cerca de 200 euros superior à categoria base.