Sinistralidade

Os 60 pontos negros das estradas portuguesas

Os 60 pontos negros das estradas portuguesas

Há registo de três mortos nos 60 pontos negros em todo o país, em 2018. Radares foram instalados nos locais de maior sinistralidade, mas o seu impacto é desconhecido.

Com nove pontos negros, o IC 19 (Lisboa-Sintra) é a estrada com maior concentração de acidentes. Os 59 sinistros lá ocorridos no ano passado envolveram 123 veículos e causaram 69 feridos leves, mas nenhum ferido grave nem vítima mortal. Aliás, dos 60 pontos negros identificados pela Autoridade Nacional para a Segurança Rodoviária (ANSR), só em três se lamentam outras tantas mortes: na Estrada Nacional 1 (Porto-Lisboa), EN10 (Vila Franca de Xira-Setúbal) e a transmontana EN15.

Nos troços de estrada com maior sinistralidade, foram instalados radares de controlo de velocidade, em 2016. Há um mês, foi anunciado um concurso para a instalação de mais radares, mas desconhece-se que impacto tiveram os criados em 2016 na sinistralidade rodoviária - dados que o JN tem pedido insistentemente à ANSR, sem resposta.

No global, nestes 60 troços com um número de acidentes rodoviários anormalmente elevado, houve 378 acidentes, envolvendo 785 veículos. Além dos três mortos, causaram dez feridos graves e 515 feridos ligeiros.