PS

Pedro Nuno acusa Rio de querer "enfiar calote" a credores da TAP

Pedro Nuno acusa Rio de querer "enfiar calote" a credores da TAP

O ministro das Infraestruturas acusou o líder do PSD, Rui Rio, de querer "enfiar um calote" aos credores da TAP ao dizer que a companhia deveria ter sido encerrada, criando-se uma outra "de raiz". "Fica claro o seu nível de impreparação para o cargo", considerou Pedro Nuno Santos.

"Finalmente, Rui Rio veio a jogo dizer o que faria se fosse ele o primeiro-ministro quando a TAP precisou de auxílio público para sobreviver, por causa da pandemia: deixava a empresa falir e abria outra ao lado", escreveu, nas redes sociais, o governante e cabeça de lista do PS por Aveiro.

"A solução de Rui Rio é que a TAP, empresa com 50% de capital público, 'enfiasse' um calote a todos os credores, incluindo empresas portuguesas e cidadãos nacionais que tinham obrigações da própria TAP. Um homem que pensa assim não pode ser Primeiro-Ministro", insistiu Pedro Nuno Santos.

O ministro lamentou que Rio assuma publicamente "fazer aquilo que, infelizmente, muitos empresários em Portugal sofrem na pele: um devedor encerra a sua empresa, não paga o que deve aos credores e abre outra empresa ao lado, com outro nome, para continuar o mesmo negócio. Triste exemplo que dá a quem não é sério no mundo empresarial", escreveu.

A TAP e a "Alitaliazinha"

Pedro Nuno aludiu ao que sucedeu recentemente à companhia Alitalia quando o Governo italiano "decidiu fazer o que Rui Rio sugeriu para a TAP": a Comissão Europeia aceitou a criação de uma nova companhia, desde que esta perdesse grande parte dos aviões e das 'slots'. "2 250 milhões de euros para ficarem com uma Alitaliazinha. Portugal continua com uma TAP", argumentou.

Horas antes, o líder do PSD tinha afirmado que, devido ao "abanão fortíssimo" provocado pela covid-19, a melhor solução para a companhia teria sido encerrar e fazer nascer "ao lado, de raiz, uma companhia nova".

PUB

Rio acrescentou que, se vencer as eleições, não adotará essa solução, uma vez que "já lá foi metido muito dinheiro". Assim, comprometeu-se a cumprir o programa de financiamento da TAP aprovado pela União Europeia, procurando depois encontrar um comprador.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG