Covid-19

Plano de vacinação da covid apresentado esta semana

Plano de vacinação da covid apresentado esta semana

O plano de vacinação contra a covid-19 está a ser ultimado e será apresentado esta semana, apurou o JN. Para esta quarta-feira, dia 2, está agendada uma reunião dos ministros da Saúde europeus para debaterem a resposta à pandemia.

O Ministério da Saúde ainda não confirmou se enviou a Bruxelas algum documento, ainda que preliminar. Recorde-se que a presidente da Comissão Europeia, Ursula von der Leyen, tinha pedido aos estados-membros para enviarem até final de novembro os seus planos de vacinação. Além do processo de vacinação de muitos milhões de europeus, o armazenamento e distribuição das vacinas será uma missão gigantesca que cada país terá de acautelar.

Na semana passada, foi divulgada uma proposta preliminar do grupo de trabalho que está a preparar a estratégia de vacinação que excluía do grupo prioritário os idosos com mais de 75 anos e sem comorbilidades. O coordenador da estratégia, Francisco Ramos, revelou que os primeiros a ser vacinados deviam ser funcionários e residentes em lares (independentemente da sua idade), profissionais de saúde e de forças de segurança, bem como idosos com doenças graves.

O parecer ainda não estava fechado mas a exclusão dos mais idosos do grupo prioritário gerou polémica, levando o presidente da República a classificar a proposta de "tonta" e o primeiro-ministro a garantir que as "vidas não têm prazo de validade".

Como está a ser lá fora

Diversos países europeus já têm os planos definidos. Em Espanha, por exemplo, a população foi dividida em 15 grupos e o processo de vacinação em três fases. O grupo prioritário será integrado pelos funcionários e residentes em lares, profissionais de saúde e pessoas com doenças graves, cerca de 2,5 milhões de espanhóis.

PUB

Na Alemanha já há centros de vacinação montados. Os primeiros a ser vacinados serão os mais velhos, profissionais de saúde, quem tem doenças graves e trabalhadores de áreas essenciais.

Em França, Emmanuel Macron pretende que a vacina comece a ser administrada no final de dezembro ou o mais tardar no início de janeiro. Os mais frágeis serão os prioritários - ou seja, os que têm mais de 65 anos, os que têm doenças crónicas ou graves, profissionais de saúde, em lares ou prisões.

Já no Reino Unido, Boris Johnson nomeou um secretário de Estado para supervisionar a distribuição das vacinas. O país encomendou 100 milhões de doses e o primeiro-ministro britânico pretende vacinar em primeiro lugar os profissionais de Saúde, os residentes em lares e os que têm mais de 80 anos.

Itália também está a concluir o seu plano e deve apresentá-lo até quarta-feira. O Governo pretende debater no Parlamento se a vacina deve ou não ser obrigatória.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG