Covid-19

"Feitos mais de 69 mil testes em março, 40 mil na última semana"

"Feitos mais de 69 mil testes em março, 40 mil na última semana"

O secretário de Estado da Saúde, António Lacerda Sales, afirmou esta quarta-feira que, desde o início de março, foram analisadas "mais de 69 mil amostras", 40 mil na última semana.

Face aos números avançados na conferência de imprensa diária de apresentação do boletim epidemiológico, António Lacerda Sales anunciou que, esta quarta-feira, o número de novos casos de infeção cresceu 11% e que a taxa global de letalidade é de 2,3%, crescendo para 9,1% na população acima dos 70 anos.

Ainda assim, para o secretário de Estado da Saúde, "ainda é cedo" para avaliar a descida na percentagem de casos registados. "Nos últimos dias tem havido um abrandamento da tendência de crescimento. As medidas foram tomadas no tempo certo. Alguns números estão exatamente a dizer-nos isso. Mas é cedo para tirarmos conclusões".

Além de sublinhar a realização de mais de 69 mil testes ao longo do mês de março, António Lacerda Sales avançou também que a linha SNS24, que integra mais de 1400 profissionais de saúde, está a atender mais de 18 mil chamadas por dia, sendo que, antes da pandemia, dava resposta a cinco mil chamadas. "Em março, foram atendidas mais de 300 mil", frisou.

Também presente na conferência de imprensa, José Manuel Boavida, da Associação Protetora dos Diabéticos Portugueses (APDP) afirmou não haver "qualquer evidência" de que os cidadãos diabéticos sejam mais propensos a contrair o novo coronavírus.

"Se a diabetes estiver bem compensada, o risco de infeção é igual ao do resto da população", sublinhou.

Questionada em relação à contagem de óbitos, a diretora-geral da Saúde, Graça Freitas, explicou que apenas entram para as contas da Covid-19 as pessoas cuja "causa terminal de morte é a doença". "Uma pessoa pode estar infetada. Se morreu atropelada, não entra na contagem", realçou.

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG