Ensino Superior

Universidades "flexibilizam" pagamento de propinas para evitar abandono escolar

Universidades "flexibilizam" pagamento de propinas para evitar abandono escolar

As Instituições de Ensino Superior (IES) "flexibilizaram" o pagamento de propinas e adaptaram os regulamentos de acesso a exames ou adiaram os prazos, para evitar o abandono escolar, com o objetivo de atenuar os efeitos da pandemia.

A conclusão é do segundo relatório da "Task Force das Ciências Comportamentais", criada pelo Ministério da Saúde, baseado no "Inquérito IES II - Acompanhamento de Estudantes Covid-19", aplicado entre 27 de novembro e 6 de dezembro deste ano.

Para evitar situações de abandono escolar, o estudo indica que foram ainda desenvolvidos programas de tutoria e supervisão por parte de docentes e coordenadores de curso, com o intuito de facilitar a integração e o diagnóstico do nível de aprendizagens dos estudantes de 1.º ano.

"Grande parte das IES acionou ou criou gabinetes de apoio psicológico, implementou serviços ou programas para a promoção do bem-estar psicológico, ou reforçou as consultas de psicologia", conclui o estudo, com base nas 71 respostas obtidas.

Com o objetivo de mitigar os efeitos da pandemia sobre os estudantes, foi também disponibilizado hardware, software e internet, em particular aos estudantes em situação de vulnerabilidade económica, e promovidas ações de solidariedade social.

No caso dos estudos pós-graduados, foram mantidos a colaboração e os protocolos com empresas e instituições e concedida uma flexibilização e descontos nas propinas, e foram realizados webinars e disponibilizados espaços de treino ou atividades desportivas, para promover comportamentos saudáveis.

PUB

"A task force recomenda que as ações desenvolvidas pelas universidades e politécnicos devem ser mantidas e apoiadas, no sentido de mitigar dificuldades em termos sociais, pedagógicos e de saúde, em resultado da pandemia", refere o Ministério da Ciência, Tecnologia e Ensino Superior, em comunicado.

Constituída em março, com o objetivo de recolher informação para apoiar a formulação de políticas públicas e de estratégias que visem uma mudança de comportamentos individuais e coletivos, para fazer face à atual e a futuras pandemias, a task force reconhece ainda o papel das IES, públicas e privadas, na promoção de uma melhor saúde e bem-estar, além do conhecimento e da aprendizagem.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG