Covid-19

Vacinar jovens entre 12 e 15 anos. Sim ou não?

Vacinar jovens entre 12 e 15 anos. Sim ou não?

Com a DGS a anunciar, para esta terça-feira, uma conferência de imprensa onde se vai falar sobre a vacinação de jovens entre os 12 e os 15 anos, o JN recorda a opinião divergente de dois médicos sobre o tema.

1 É a favor ou contra a vacinação para a covid-19 das crianças e jovens entre os 12 e os 15 anos e porquê?
2 Concorda com a decisão da Direção-Geral da Saúde de vacinar só as crianças e jovens (12 aos 15 anos) com comorbilidades?

Filipe Froes
Pneumologista

1.
Como pai e como médico de adultos, sou favorável à vacinação das crianças dos 12 aos 15 anos. Até entendo que há algumas dúvidas que é necessário esclarecer, mas valorizo a experiência acumulada de quatro meses de vacinação nos Estados Unidos e o facto de estas vacinas [Pfizer e Moderna] já terem sido autorizadas pela Agência Europeia do Medicamento, que aprova todos os medicamentos usados na Europa.

2.
Respeito a decisão dos meus colegas da Comissão Técnica de Vacinação da Direção-Geral da Saúde. Preocupa-me mais o unanimismo do que a diversidade na ciência. Mas ficaria mais satisfeito se a decisão fosse acompanhada dos dados desta doença nas crianças e jovens portugueses, não esquecendo que estamos há um ano e meio em pandemia.

PUB

Germano Sousa
Patologista, ex-bastonário OM

1.
Sou contra, por várias razões. Quando subscrevi a carta aberta "Crianças e jovens não devem ser vacinados para a covid-19", não tínhamos dados sobre a segurança das vacinas neste grupo etário - e hoje ainda não temos dados suficientes -, pelo que achámos que não seria correto estar a vacinar crianças com vacinas que ainda não tinham sido suficientemente testadas. Só há dois ou três dias apareceram resultados, mas com um número muito reduzido de crianças vacinadas. Por outro lado,
sou contra, porque as crianças são as que menos sofrem com a covid-19 e esta é a posição de um grande número de pediatras do país.

2.
Parece-me bastante correta a decisão da DGS. As crianças dos 12 aos 15 anos com comorbilidades devem ser vacinadas, as outras ainda não. Primeiro, acho que devemos ter a certeza de tudo o que pode acontecer e, se se chegar à conclusão de que é totalmente inócuo, vacinem-se as crianças. Penso que, nesta fase, o mais importante é vacinar todos

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG