"Vent2life"

Ventiladores inativos podem reforçar unidades de saúde

Ventiladores inativos podem reforçar unidades de saúde

A plataforma vent2life permite que entidades identifiquem os ventiladores e equipamentos que têm em sua posse para que possam ser reabilitados. Fundadores estimam conseguir reforçar o sistema nacional de saúde com cerca de 200 ventiladores.

A plataforma vent2life.eu, lançada pelo movimento #ProjectOpenAir, permite que as entidades interessadas, públicas ou privadas, coletivas ou individuais, identifiquem os ventiladores e equipamentos que têm na sua posse, sem utilização ou com necessidades de reparação, para que possam ser reabilitados.

Os fundadores do movimento acreditam que podem conseguirem recuperar 200 ventiladores, atualmente inoperacionais, que se encontram em diferentes locais do país.

Alguns já foram identificados e estão já a ser analisados por especialistas para voltarem ao serviço.

O objetivo da plataforma é criar uma ligação entre doadores de equipamentos com especialistas que possam assegurar a sua recuperação e, por fim, com as unidades de saúde beneficiárias.

Para registar os equipamentos na plataforma, os interessados têm apenas de se dirigir ao site e preencher o formulário indicado. Já os especialistas que avaliam a condição dos equipamentos têm de dar provas das suas competências, após submeterem a informação. A avaliação é feita pela equipa de gestão da vent2life.

"Os especialistas foram convidados a participar pela Ordem dos Engenheiros Portugueses, pelo Instituto Superior de Engenharia do Porto e pela Faculdade de Ciências e Tecnologia da Universidade Nova de Lisboa, que desde cedo se prontificaram a ajudar na concretização do projeto. Também a Nova Medical School se juntou à iniciativa, mobilizando as escolas médicas portuguesas para apoiarem no contacto mais eficaz com as administrações hospitalares", explicam num comunicado.

A plataforma foi desenvolvida em cerca de uma semana, por um grupo de 24 voluntários, aos quais se juntou uma equipa da OutSystems, também em regime de voluntariado, que assegurou o apoio técnico e toda a programação do sistema.

De acordo com os fundadores do movimento, o trabalho desta equipa equivaleria a um investimento na ordem dos 200 mil euros.

O Projeto Open Air é o resultado de um movimento que começou nas redes sociais e reuniu uma comunidade de voluntários com o único objetivo de servir na luta contra a COVID-19.