Exclusivo

Entrevista a Windoh: "Não tenho problema nenhum que me investiguem"

Entrevista a Windoh: "Não tenho problema nenhum que me investiguem"

Envolto numa acesa polémica por causa de um curso sobre criptomoedas que vendeu a 400 euros e que acabou exposto na Internet por um hacker, um dos youtubers mais influentes do momento garante que não teve uma "palavra final" no preço e que já reembolsou toda a gente. Revela que à conta disso perdeu patrocínios e que todos os dias recebe ameaças de morte. O influenciador de 25 anos, com mais de 1,74 milhões de seguidores só no YouTube, acredita que está a ser um "bode expiatório" de esquemas fraudulentos de outros protagonistas do meio - que recusa, porém, denunciar.

O Windoh tem estado no centro das atenções por ter vendido um curso sobre criptomoedas a 400 euros. Curso esse que foi exposto na Internet e que dizem ser "copy paste" da Wikipédia. O que é que o levou a criar o curso e a estabelecer este valor?
Há um conjunto de fatores para eu ter lançado este curso. Eu já fiz algum dinheiro com criptomoedas. Tive a sorte de conseguir entrar nesse mercado muito cedo e de perceber o que era quando a bitcoin ainda nem valia mil euros. E tive a sorte de encontrar, no meu caminho, pessoas que me foram ensinando. Esta ideia surgiu há muitos meses. Foi no início de 2020. Há quem me chame de youtuber, de influencer. Eu sou mais um empreendedor digital e este foi mais um negócio que eu quis fazer.

Tinha conhecimento do conteúdo do curso quando começou a promovê-lo?
Sabia, mas vou sincero e ainda não o disse publicamente porque acho que as pessoas não iam acreditar: eu não concordei com o preço do curso. Nós somos uma empresa com vários sócios. O preço que colocámos foi o preço que me foi aconselhado por quem tem mais experiência do que eu. Eu nunca vendi ou comprei um curso destes. Já li muito sobre isto, mas não sei sequer que valores são praticados neste tipo de mercado. O que me disseram foi que 400 euros até era barato. Fui um bocadinho influenciado por pessoas que tinham mais experiência do que eu.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG