Opinião

Cabeça bem erguida

Há quinze dias, na véspera do duplo confronto com o Liverpool, sugeri que o Benfica adotasse o lema do seu adversário e, na tempestade, levantasse a cabeça.

Numa época que nunca será bem sucedida (não há épocas bem sucedidas para o Benfica sem o título de campeão), a verdade é que a equipa termina a época levantando bem a cabeça e, só nesta semana, fazendo-o por duas vezes.

Cabeça erguida 1: Anfield.

PUB

A exibição de Anfield e a forma honrosa como o Benfica discutiu a eliminatória com o todo poderoso Liverpool, deixando até a ideia de que o podia ter superado (o mesmo Liverpool que goleou por 5-1 o F. C. Porto no Dragão), justificou bem o momento memorável em que mais de vinte minutos após o fim do jogo a equipa regressou dos balneários para agradecer o apoio dos adeptos, sob o aplauso dos adeptos dos reds, que ainda estavam no estádio.

Cabeça erguida 2: Alvalade.

Em Alvalade, o Benfica ganhou e com todo o mérito. Foi superior taticamente, mérito de Veríssimo que se superiorizou a Amorim, tecnicamente com Darwin a brilhar e fisicamente com a equipa a lutar até ao fim, de cabeça bem levantada.

A única coisa sem explicação neste jogo é como é possível que o Sporting tenha terminado o jogo com onze jogadores depois de Nuno Santos pontapear Gilberto na cabeça quando este estava caído, Sarabia a pisar o tendão de Aquiles de Vertonghen, Coates pisar Darwin e Paulinho agredir o belga do Benfica.

Mas isso é mais do mesmo e os srs. Fábio Veríssimo, a que alguns adeptos chamam "verdíssimo", e o VAR Hugo Miguel, inexplicavelmente, não viram nada.

Positivo: Darwin a marcar e a assistir qualquer que seja o adversário, cada vez mais decisivo e valioso.

Negativo: Os insultos racistas ao jogador Sandro do Benfica B, em Vila do Conde.

*Adepto do Benfica

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG