O Jogo ao Vivo

Opinião

#Hoje e mais além

O plano de vacinação foi apresentado. Sujeito a críticas e a elogios, é, neste contexto, que uma democracia se desenvolve.

No contexto pandémico, a redução do acesso a cuidados de saúde é uma inevitabilidade. O redirecionamento dos limitados recursos do sistema de saúde para responder à covid-19, a introdução de novos circuitos e procedimentos e o receio dos doentes em aceder às instituições de saúde estão, entre os principais motivos, para esta limitação.

Contudo, estas condicionantes não são uma fatalidade. Podem ser desenvolvidos programas de comunicação para a população em geral, particularmente para grupos mais vulneráveis, garantindo a segurança das unidades de saúde.

Face à limitação de recursos, poderiam ser identificadas prioridades de saúde e redirecionar os meios existentes para essas áreas. Processos de menor valor poderiam ser substituídos por automação ou realizados por outros profissionais, libertando médicos e enfermeiros para a prestação de cuidados essenciais. Novas tecnologias poderiam ser disseminadas de forma organizada, alargando o âmbito e a cobertura do sistema de saúde.

Tal como o plano de vacinação, a resposta à covid-19 e às áreas não covid-19 mereciam planificação e equipas responsáveis pela sua implementação.

Não vale a pena desvalorizar, ou mitigar, os efeitos da quebra de acesso a cuidados de saúde. Todos sabemos que muitos ficaram para trás. Não tinha que ser assim.

*Presidente da Associação Portuguesa de Administradores Hospitalares

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG