Opinião

Os políticos podem ser bem pagos

Os políticos podem ser bem pagos

A política está desacreditada perante a opinião pública. Deixou de ser a nobre atividade de governar a cidade para passar a ser considerada a arte de se governar. Disseminou-se a ideia de que os políticos tudo fazem para se perpetuarem no poder em vez de lutarem pelo bem comum. Acredita-se que todos são corruptos e que conseguem fintar sempre a lei e fugir às malhas da justiça.

São ideias muito perigosas e que abalam profundamente aquilo que deve ser um pilar da vida em sociedade. A forma como foram feitas as alterações à lei do financiamento dos partidos que aguarda a promulgação do presidente da República, e o debate que elas têm suscitado, não tem ajudado à credibilização da política.

Aos olhos do cidadão que não acredita nos políticos é fácil ver aqui uma tentativa de aprovação desta legislação à socapa do povo, com o objetivo de ampliar as mordomias das elites partidárias. Os mais exigentes para com os políticos, e para com as condições para o exercício da política, até podem achar que se justificam os aumentos previstos - e que os próprios políticos são mal pagos para se dedicarem à coisa pública.

Aqueles que esperam dos políticos que não produzam leis à medida dos seus interesses particulares, ou de determinadas corporações, mas que tenham em vista o bem da maioria, acham que estes deveriam ser muito mais bem remunerados. Para aqueles que exigem que eles administrem bem os dinheiros públicos, sem desperdício, então esses gestores mereceriam um salário bem superior ao dos gestores públicos.

Para os que esperam da política um desenvolvimento mais harmónico do país, sem assimetrias tão acentuadas entre litoral e interior, entre os mais ricos e os mais pobres - como as que se verificam - então a classe política está muito mal paga.

Ninguém poria em causa os benefícios concedidos aos partidos e aos políticos se estes, em vez de subsidiarem a mediocridade, promovessem a excelência dos governantes e dos responsáveis pelos destinos das instituições do país e pela produção de leis que garantissem uma sociedade mais justa e harmoniosa.

O país e os portugueses merecem ser governados pelos melhores. E que, para isso, estes sejam bem pagos, porventura em menor número.

Um Bom Ano!

PADRE