Opinião

Tempo de virar a página na Federação Distrital do PS Porto

Tempo de virar a página na Federação Distrital do PS Porto

Portugal precisa que o distrito, a Área Metropolitana e a própria cidade do Porto voltem a ter peso político. O projeto reformista e humanista do Governo do Partido Socialista liderado por António Costa necessita de quem reflita sobre as razões da ação governativa. De quem esteja na linha da frente da sua defesa. E de quem contribua para o seu aperfeiçoamento.

A Federação Distrital do Porto do Partido Socialista tem de desempenhar esse papel. O distrito necessita de mais coesão territorial e de mais equilíbrio socioeconómico. O PS deve ser o principal motor de afirmação política da região e da promoção do seu desenvolvimento integrado. Envolver todos os concelhos nesse projeto deve ser a principal prioridade política do PS no distrito do Porto.

Para tal, é preciso uma Federação mais agregadora, mais forte, mais preparada e com outra ambição para os desafios do futuro. Uma Federação com uma liderança coletiva de autarcas da nova geração, autarcas que estão a promover uma vaga de desenvolvimento nas suas comunidades e nos quais as populações confiam. A Federação precisa destas vozes socialistas que trazem à região uma nova cultura político-partidária, com mais humildade democrática e mais respeito pela riqueza das diferentes opiniões internas. O distrito é constituído por 18 concelhos: todos têm de contar.

Quando o país arranca para um novo ciclo de governação do PS, sente-se, cada vez mais, que é tempo de virar a página na Federação Distrital do Porto. Por isso, serei candidato à presidência de todos os socialistas do distrito nas eleições que irão decorrer no primeiro trimestre de 2020.

Queremos uma Federação que se empenhe na dignificação da vida política. Com transparência e em torno dos valores da liberdade, igualdade e solidariedade.

*Candidato à Presidência da Federação Distrital do PS Porto; Presidente da Câmara de Valongo

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG