100 macacos no sótão

Tenho medo, mãe... Tenho medo, filho... 

Tenho medo, mãe... Tenho medo, filho... 

O medo é uma emoção que nos protege do perigo.

O cérebro em resposta ao perigo toca o alarme do medo e um conjunto de mudanças fisiológicas e comportamentais acontecem para sobrevivermos, existindo três tipos de resposta diferentes, conhecidas como os três efes: freeze, flight or fight (congelar, fugir ou lutar)1. Sendo uma resposta instintiva, sentimos medo tanto de perigos reais como de perigos não reais, mas que são percepcionados pelo cérebro como tal (p.e. medo de dormir sozinho, mesmo estando em segurança).

No caso da pandemia, o medo surge para nos proteger de um perigo real. Como lidar com esse medo?

Inicialmente, com medo do contágio, do futuro e da incerteza, num cenário novo, ficamos parados, sem saber o que fazer e num impasse, congelamos (freeze). A partir daí existem: os que suprimem, fogem do medo, evitando, "anestesiando-se" na fantasia ou em tecnologias ou televisão horas a fio, não expressando o que sentem ou pensam, sem agir na resolução dos problemas, fugindo (flight); e os que confrontam, identificam o medo, sentem-no e pensam-no, trabalhando em estratégias para lidarem com o mesmo, resolvendo os problemas e adaptando o necessário para agir na realidade, lutando (fight).

Sendo um perigo real (uma pandemia) é adaptativo não desafiar o perigo, mas lidar com o medo: os adultos trabalharem na sua literacia emocional para que consigam confrontá-lo, pedirem ajuda, se necessário, para não usarem estratégias que reforcem o medo e o generalizem para perigos não reais; com os miúdos, ajudá-los a lidar com o perigo real, respeitando-o e compreendendo-o, aceitando o medo e sua função protetora e desenvolvendo estratégias de confronto para lidar com as sensações, emoções e pensamentos difíceis e não reforçar estratégias de evitamento, frequentes, especialmente em idades mais precoces.

Pela saúde mental, confrontar e não evitar

Em família, conversem sobre o medo que sentem face à pandemia: o que pensam, sentem e fazem. Explique aos mais novos as três respostas ao medo e a importância de não desafiar o perigo (porque é real) mas lidar com o medo, sem fugir. Criem estratégias características de cada tipo de resposta ao medo, analisem as consequências de cada e seleccionem as mais adequadas para lidarem com o medo deste perigo real, usando como uma oportunidade de aprendizagem para o futuro. Com as mais pequenas, moldar "o medo" em plasticina e fazer uma lista de truques para o vencer. Por cada truque, ir tirando um bocadinho de plasticina ao "medo", criando a ideia de que, com bons truques para enfrentar o medo, este fica pequenino.

1 O psicólogo Walton Cannon, em 1915, é o 1.oºa usar o termo (fight or flight). Mais tarde, a ciência confirma um 3.o efe, o freeze, que antecede as duas respostas anteriores, como um momento de decisão (fujo ou luto? Ou ambas?).

Psicóloga clínica

http://www.psicologadosmiudos.com