Opinião

Uma longa caminhada

No dia 18 de setembro a Sra. Maria, com 55 anos, juntamente com outros sete doentes, será operada no Hospital São João. Duas equipas do Centro de Responsabilidade Integrado (CRI) da Obesidade vão começar a realizar cirurgias ao domingo.

Não é habitual, nos países europeus, realizar cirurgia programada ao domingo, seja no setor público ou privado. Neste caso, a vontade e motivação partiram da própria equipa, em função da elevada procura e na tentativa de cumprir com o tempo máximo de resposta garantida. Estes oito doentes aguardam cirurgia há cerca de sete, oito meses.

A equipa deste CRI está organizada com a autonomia necessária para que os profissionais possam construir soluções para os problemas que afetam os doentes. Na ausência de disponibilidade de bloco de segunda a sábado, por ocupação total da capacidade instalada, propuseram ter atividade aos domingos.

PUB

Esta decisão implica um esforço ímpar destes profissionais do SNS, focados no interesse dos doentes. Significa responsabilidade e compromisso. Este elevado grau de dedicação e profissionalismo explica os seus excelentes resultados, comparáveis aos melhores centros internacionais.

Mas este esforço será infrutífero, se não conseguirmos implementar uma política robusta em matéria de promoção da alimentação saudável, da prática de atividade física ou do combate ao uso excessivo de bebidas alcoólicas ou aos hábitos tabágicos. Atualmente, um em cada dois portugueses é obeso ou tem excesso de peso, um em cada três é hipertenso, um em cada dez tem diabetes, uma das taxas mais elevadas nos países da OCDE. Importa construir de novo uma estratégia, envolver os principais parceiros e implementar medidas consistentes que consigam alterar esta realidade. A prevenção da doença, incidindo nos seus principais determinantes, terá de ser uma pedra angular na futura política de saúde.

Nesse sentido, agradecer o trabalho efetuado à ministra da Saúde que cessou funções e desejar as maiores felicidades ao novo titular, alguém com enorme conhecimento e experiência, com capacidade de diálogo e bem ciente da necessidade de uma longa caminhada na defesa do futuro de gerações de portugueses.

Uma palavra final para a oportunidade única que o JN me concedeu, ao permitir que escrevesse uma coluna semanal, que terminará hoje. Um reconhecimento especial aos leitores que, de forma muito afetuosa, foram enviando os seus comentários. Foram vinte semanas de crónicas reais, escritas com alma, sobre os problemas de milhares de portugueses.

*Presidente do Conselho de Administração do Centro Hospitalar Universitário de S. João

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG