Francisco Seixas da Costa

Uma vergonha

Tancos é uma vergonha. Começa por sê-lo para as Forças Armadas, cujas chefias não foram capazes de assumir as suas responsabilidades. A hierarquia de turno não soube tomar a decisão óbvia - demitir-se -, face a uma flagrante incompetência de gestão, não percebendo que assim colocou em causa a honra e o prestígio, nos planos interno e externo, das nossas Forças Armadas. Estas já provaram que são bem mais capazes do que a imagem que esta sua chefia conjuntural agora projetou. A coreografia disciplinar evidenciada após a revelação do assalto já tinha mostrado uma aliança entre o pior corporativismo e a inépcia, perante a gargalhada e o sorriso amarelo de um país que tem a sua "tropa" em bem melhor conta. O que depois se veio a saber sobre as moscambilhas da Polícia Judiciária Militar excede tudo quanto, de ridículo, se supunha plausível. Ora se as chefias militares não estavam, como era evidente, à altura da situação, o poder político teria feito melhor em tê-las "ajudado", a tempo e horas, afastando quantos, ao menos por omissão, se revelaram abaixo dos mínimos exigíveis.

Francisco Seixas da Costa

A nostalgia ainda é o que era

Simone Signoret tem uma biografia intitulada "A nostalgia já não é o que era". A companheira de Yves Montand, se fosse viva e tivesse assistido ao dia de ontem, talvez concluísse que o título do seu livro estava longe de ser uma verdade universal. A morte de Charles Aznavour fez perpassar pela França, onde escrevo este texto, um sentimento de perda muito pouco comum. Salvo gente muito jovem, cuja lista de gostos é agora outra ("esse Aznavour era quem?", ouvi uma adolescente perguntar à mãe, numa esplanada de Paris), fica claro que o cantor que atravessou três gerações deixou uma imagem impressiva e duradoura.