O Jogo ao Vivo

Opinião

Este certificado é confuso e não é para velhos

Este certificado é confuso e não é para velhos

Positivo. O certificado digital já serve para alguma coisa que não seja viajar.

Negativo. Continua a servir para muito pouco e os termos de uso são contraditórios. Podemos usá-lo para passar a noite num hotel ou ir jantar a um restaurante, mas não para circular a partir das 23 horas nos concelhos de risco elevado e muito elevado. Também não precisamos dele para ir ao shopping ou ao café! Mas se quisermos apresentá-lo num bar ou numa discoteca, não dá. Continuam trancados a sete chaves.

E já que o seu uso começa a ser alargado, a pergunta é a seguinte: porque é que o certificado digital não é entregue no momento imediato à conclusão do processo de vacinação? Ou, caso o país da transição digital não consiga imprimir PDF, enviado via postal ou via email para o utente, à semelhança das opções apresentadas pelas empresas prestadoras de serviços privados aos seus clientes? Estas têm mais consciência social do que o Estado? Assim parece.

É bom recordar as palavras do autarca de Miranda do Douro proferidas na conferência que assinalou os 133 anos do JN. Artur Nunes dizia que o acesso às redes de comunicação no concelho é muito mau. Dava como exemplo a simples dificuldade em enviar um email a partir do seu gabinete.

A questão que se segue é, por isso, inevitável. Como é que um cidadão sénior mirandês acede ao certificado digital? Neste, como na maioria dos casos em Miranda do Douro ou no resto do país, será um filho, um neto ou um sobrinho a fazer-lhe o favor de o obter. O gesto é de enaltecer, mas é um gesto que prova a exclusão digital de uma parte da população.

O certificado digital, que, na verdade, é apenas um simples documento de texto com um QR Code (um código de barras usado desde 2003), tem de ser de acesso simples e imediato para todos os que dele necessitem, novos e velhos.

Mas se o Governo falha na comunicação aos mais novos no que à covid e às vacinas diz respeito, não é surpreendente que tenha colocado os mais velhos em plano secundário no processo de obtenção do certificado.

PUB

Diretor-adjunto

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG