Opinião

O nosso IRS tapa buracos

O nosso IRS tapa buracos

Consultar os movimentos financeiros no portal das Finanças ou o saldo bancário para verificar se o reembolso do IRS já caiu na conta, deve ser por estes tempos já tão habitual como colocar gel desinfetante nas mãos. O problema é que, dia após dia, o resultado com o extrato tem sido o mesmo para a grande maioria dos portugueses. Nada.

Esta semana, ficamos a saber que é preciso recuar a 2013 para que a receita pública tivesse tão bons resultados nos primeiros quatro meses do ano. E aquilo que poderia ser uma boa notícia, afinal é uma manobra que só vai ficar bem no excel.

Para que este arranque fiscal resulte nas contas de Mário Centeno, a verdade é que milhares de portugueses continuam à espera do seu reembolso que, por certo, seria uma boa ajuda nestes tempos de crise que vivemos.

E não podendo disfarçar mais os atrasos, o próprio Ministério das Finanças admite a "finta" para minimizar o

gigantesco défice acumulado nos últimos dois meses e assume que para haver mais verbas em caixa retardou os pagamentos. Agora, a Autoridade Tributária e Aduaneira diz que o número de reembolsos do imposto já ultrapassou um milhão e promete que a situação ficará corrigida...... ao longo do ano.

Portanto, caro contribuinte, não crie expectativas nem planos para o dinheiro que já devia ter recebido. Não há austeridade, nem vai haver, disseram, mas colocar os contribuintes a "pagar" ou a "colmatar" as contas públicas pode ter muitos nomes e muitos eufemismos.

Não é que, a bem de todos, sejamos contra as medidas e estratégias que devem ser usadas para salvar a nossa economia e finanças, mas convém dizerem-nos exatamente como as coisas são. E não fazer de conta que está tudo bem (todos sabemos que não está), quando o bem é pintado da forma que dá mais jeito ao excel de Mário Centeno.

Diretor-executivo

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG