O Jogo ao Vivo

Opinião

O país do Simplex com bug nas vacinas

O país do Simplex com bug nas vacinas

O coordenador da task force, vice-almirante Henrique Gouveia e Melo, explicou, ontem, porque usa uniforme de combate: "Para mim isto é uma guerra".

A metáfora guerreira na crise da covid não é nova. Está até um pouco banalizada. No ano passado, Marcelo Rebelo de Sousa também recorreu a frases bélicas. "Esta guerra, porque de uma verdadeira guerra se trata, dura há um mês, começou depois dos vizinhos europeus, e, também por isso, pode demorar mais tempo a atingir os picos da sua expressão", disse, quando anunciou o primeiro estado de emergência. Inimigo invisível, inimigo da Humanidade, medicina de guerra, entre outras, são expressões que continuamos a ouvir durante a pandemia.

À medida que aplaudimos heróis, percebemos que esta guerra não seria vencida apenas com os soldados da linha da frente, médicos, enfermeiros, farmacêuticos, pessoal auxiliar, forças de segurança, bombeiros, etc. Faltavam meios e recursos humanos.

Chegados à arma decisiva para vencer a batalha, constatamos que o pelotão ainda está vulnerável. É certo que o processo de imunização decorre à medida das possibilidades, mas é evidente que a convocatória para a vacinação está a correr mal. Listas desatualizadas, falta de contactos e de cruzamento de dados, fruto de um passado desorganizado no que diz respeito à digitalização do país. Houve tempo para minimizar o problema. Houve tempo para recrutar os melhores soldados, num país que acolhe a Web Summit e com um leque tão qualificado de startups tecnológicas.

Se não é o Governo a contar com os maiores especialistas em tratamento de dados para que todo o processo de vacinação funcione sem bugs, quem será? Se falamos da saúde de todos e da saúde da nossa economia, tão dependente que está do sucesso do plano, seria obrigatório ter preparado todo o sistema informático para convocar os portugueses para a vacinação sem tropeções e erros grosseiros. Adiantamos as fases seguintes, quando a primeira ainda está coxa.

Um país que faz bandeira do seu Simplex não pode ter uma abordagem primária a uma ação na qual está depositada a esperança de todos.

*Diretor-adjunto

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG