Opinião

Que a TAP não seja um Novo Banco

Que a TAP não seja um Novo Banco

O importante agora é colocar rapidamente os aviões no ar (cada dia que passa é um dia que perde rotas) e evitar que a TAP se transforme noutro sorvedouro de dinheiro. Já sabemos que os 1,2 mil milhões não chegam. Reestruturar será o busílis da questão.

O reforço de capital é o menos mau dos três cenários que estavam em cima da mesa: insolvência, nacionalização, reforço de capital. Mas a solução que permite exibir na lapela um privado, que na prática deixa de ter qualquer poder de decisão, não retirará ao Estado o ónus dos despedimentos, da diminuição de rotas, da transformação da TAP em algo diferente do que é, num momento em que ninguém quer ter uma companhia aérea.

E ter os sindicatos à perna numa altura em que, mais tarde ou mais cedo, a contestação nas ruas irá aumentar, face à crise económica que se estende à nossa frente, não será fácil para nenhum governante, muito menos para os que se posicionam à Esquerda.

Se há mais abertura para compreender a nacionalização da Efacec, que será temporária face ao interesse que a empresa líder na área da energia e mobilidade suscita entre vários grupos industriais, não haverá argumentos que justifiquem um Novo Banco na TAP. É que a tal empresa de bandeira será mais pequena mas continuará grande nos problemas imediatos que se colocam.

Certo é que quem viaja não está interessado se a TAP vai ou não ser viável. As suas escolhas e opções terão sempre em conta a concorrência e essa é forte e agressiva. Está interessado, sim, em saber como é que o Estado vai garantir que os portugueses não serão chamados mais uma vez a pagar os prejuízos de uma organização com ou sem bandeira portuguesa.

Poucos serão os que querem ser "sócios" de uma companhia deficitária, que tem apresentado prejuízos e que serviu o país de uma forma desigual.

Os tempos mudam, mas os protagonistas continuam sempre os mesmos. Do Novo Banco à TAP, com banqueiros e gestores muitas vezes a manchar a tal bandeira que todos gostaríamos de acenar.

*Diretor-adjunto

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG