O Jogo ao Vivo

Café da manhã

Não se tira a troika de CDS e PSD

Não se tira a troika de CDS e PSD

A Direita portuguesa bem se tem esforçado por moderar o discurso face ao evidente fracasso da estratégia de empobrecimento e austeridade que apresentaram como inevitável. Mas não é preciso procurar muito para encontrar no discurso de CDS e PSD as linhas mestras do programa que, com a ajuda da troika, impôs ao país a mais violenta austeridade. Afinal de contas, pode tirar-se o Governo da troika do país, mas não se tira a troika do CDS e PSD.

Desta vez foi Assunção Cristas. Questionada sobre as 35 horas semanais de trabalho, não hesitou em afirmar que "precisamos de trabalhar muito porque infelizmente continuamos a estar atrás dos outros países no que diz respeito à competitividade da nossa economia". Por outras palavras, diz-nos Cristas que a competitividade da economia depende de mais horas de trabalho, isto é, de mais trabalho por menos salário. Numa única frase, a presidente do CDS resumiu o pensamento bafiento da troika sobre o trabalho que, como se vê, não se distingue do seu. Em 2016, a Esquerda conseguiu aprovar a reposição das 35 horas no setor público. Os partidos que tinham aumentado o horário de trabalho no tempo da troika, PSD e CDS, votaram contra a medida e justificaram o voto também com a ideia de que estaria a ser criada uma desigualdade entre trabalhadores do público e do privado. Menos de um ano depois, CDS, PSD e PS chumbaram as propostas da Esquerda para alargar o horário de 35 horas semanais ao privado. A igualdade nunca foi e nunca será uma preocupação para a Direita, porque a desigualdade é e sempre foi a sua única política.

A ideia de que mais horas de trabalho significam mais competitividade da economia levou a Direita a aumentar o horário de trabalho e diminuir o salário, mas serviu também para justificar a eliminação de feriados e dias de férias ou os cortes nos salários e horas extras durante o tempo da troika. Três anos passados, Cristas ainda não compreendeu que a fragilidade da economia portuguesa não está no pouco tempo de trabalho, ou nos altos salários. É precisamente o contrário.

Até hoje, a aposta nos baixos salários não fez mais que deixar o país preso a uma economia fraca, de baixas qualificações, centrada em atividades de pouca intensidade tecnológica e valor acrescentado. É esse o caminho que é preciso reverter. E a solução não é impor jornadas de trabalho mais longas, como propõe Cristas. Em Portugal já se trabalha mais tempo que a média europeia.

A solução está em menos horas de melhor trabalho. E melhor trabalho, ou trabalho mais produtivo, resulta de uma combinação de fatores em que o CDS não quer nem sequer pensar. Porque não é possível pensar a sério em trabalho qualificado sem um forte investimento público em educação, em ciência e investigação. Porque trabalho empenhado requer um bom salário, segurança no vínculo laboral em vez de precariedade. Numa palavra: dignidade. Ou seja, muito longe da visão elitista da educação que o CDS defende e o contrário da prática de precarização laboral que o Governo da troika impôs ao país.

O país precisa de discutir a sua estratégia económica de futuro. Mas devemos rejeitar soluções que já conhecemos, e que falharam. A proposta de Cristas não é mais que um regresso ao passado.

*Deputada do BE

ver mais vídeos