Opinião

Austeridade, ponto e vírgula

Austeridade, ponto e vírgula

Há uma santa propensão do entendimento para os assuntos caseiros, aqueles que nascem, sucedem ou padecem perante os nossos olhos.

É quase uma cruzada pelo autoconhecimento nos lugares onde já conhecemos tudo. Onde fica fácil. Mas a relevância das lembranças não pode ficar presa ao voto na reunião de condomínio, na sede da vizinhança ou nos nossos veneráveis lugares-comuns. Como João César Monteiro ou John Cage, o preto-a-negro da imagem, a alegoria do silêncio. Ou como Yves Klein e a galeria de arte desocupada em 58. A imagem de ausências. O salto no vazio é ainda mais válido 60 anos depois. O vazio para encher, um vazio para encher de verbos. Sangrar o amor.

A pose de equilíbrio que procuramos é sempre mal disfarçada. E por isso pouco sabemos acerca do que não sabemos automaticamente. Há uma errónea noção sobre a distância de quilómetros que nos separa do nosso metro quadrado. E não fosse essa ditadura da vizinhança, algo mais saberíamos sobre a notícia mais relevante da semana: a proposta para a transposição das regras do Tratado Orçamental para o direito comunitário foi rejeitada e, através de um empate técnico em sede de votação na comissão de Assuntos Económicos e Monetários do Parlamento Europeu, é possível equacionar que não haja coragem da Comissão Europeia para propagar - à revelia dos parlamentos nacionais - a aberração das regras de austeridade excessiva que definharam a economia europeia, impondo-a a cada um dos países da União. A regras do défice e da dívida não podem ser repetidas e perpetuadas.

Esta inesperada votação internacionalizou a geringonça. O voto de Marisa Matias (BE), de Miguel Viegas (PCP) e de Pedro Silva Pereira (PS), deputados portugueses na Comissão, permitiu uma enorme vitória política à autonomia e à admissão de alguma razoabilidade no projecto europeu. Assim perceba a Comissão Europeia que não pode haver atropelamento de tantos votos convergentes. Embora muitas dúvidas recaiam sobre a idoneidade política e moral da Comissão Europeia, Marisa Matias (relatora-sombra do documento) acredita que o Tratado Orçamental "deve começar a morrer depois deste voto". O magnífico trabalho que em tantas frentes encetou e definiu, dizem muito sobre a urgência das escolhas que teremos que fazer nas próximas eleições europeias. Aquela distância de quilómetros que nos separa do nosso metro quadrado já não existe.

*MÚSICO E JURISTA

O autor escreve segundo a antiga ortografia

ver mais vídeos