O Jogo ao Vivo

Opinião

Não se façam de mortos

Não se façam de mortos

Há um novo desporto em Portugal que, sendo praticado por boa parte das elites do poder financeiro português, corre o risco de se transformar em competição olímpica.

Na realidade, há muito que se ultrapassaram os mínimos. Esse desporto, misto de caça-fantasmas com jogo da invisibilidade, é de alta competição, usa de velocidade e joga-se da pista principal para os atalhos. Desporto de morte súbita, cada dia a ganhar adeptos, é uma prova sui generis e com um desígnio último: fugir de Isabel dos Santos. Jogo colectivo sem ponta de lança mas com um pelotão de arrasto, apresenta-se com um lema de unidade individual inquebrantável: salve-se quem puder!

Desde que o Consórcio Internacional de Jornalistas de Investigação revelou os Luanda Leaks, 715 mil ficheiros secretos sobre a sede de fortuna e a rede de negócios da filha de José Eduardo dos Santos, An-go-la é agora uma palavra insoletrável de escura como breu, para dezenas de cabecilhas e co-responsáveis pela tormenta que assolou o povo angolano durante décadas de conivência com o nepotismo e a cleptocracia. Despacho de pronúncia. Neste desporto, ganha o último a fazer-se de morto.

Uma investigação não julga nem encontra culpados, mas é perfeitamente justificável a tremideira que se apossou de altos responsáveis da tríade Sonae/Nos/Continente Angola, do Grupo Amorim/Banco BIC/Galp e do Grupo Mello/TMG/Efacec, assim como de sociedades facilitadoras e parceiros vários como a PwC, Vieira de Almeida, BCG e PLMJ. Durante anos, muitos agiram como inimputáveis a surfar uma onda de poder manchada por petrodólares. Do ponto de vista da complacência, é difícil de explicar o comportamento do Banco de Portugal, da CMVM e da PGR. Mas é no poder político português que reside a face maior da vergonha, fascinado que sempre esteve ao serviço da normalização do poder político angolano. São incontáveis os negócios realizados com o regime de Angola por figuras de proa do PSD, PS e CDS, sempre com o discurso anticolonialista na ponta da língua nos momentos em que era necessário justificar os negócios realizados à custa da falta de liberdade de um povo.

Se Isabel dos Santos, constituída arguida na passa quarta-feira, não se apresentar de forma voluntária à justiça angolana, poderá ser emitido um mandado de captura internacional e a justiça portuguesa não pode lavar as mãos. Do injustificável. São muitos os que batem palmas ao Luanda Leaks mas não têm vergonha em ser cúmplices silenciosos perante a falta de interesse da justiça portuguesa no Football Leaks revelado por Rui Pinto. É curioso que Sindika Dokolo, marido de Isabel dos Santos, aponte Rui Pinto como um dos responsáveis pelo aparecimento do Luanda Leaks. A seu tempo, far-se-á justiça à dimensão da coragem e relevância de Rui Pinto. Por-tu-gal, como Angola, também é palavra que muita gente devia ter dificuldade em soletrar.

O autor escreve segundo a antiga ortografia

Músico e jurista

Outras Notícias