Televisão

Bruno Nogueira dá palco ao erro na SIC

Bruno Nogueira dá palco ao erro na SIC

"Princípio, meio e fim" estreia no domingo. Atores seguem guião criado em duas horas e sem correções.

Bruno Nogueira está de regresso à televisão como anfitrião de "Princípio, meio e fim", que se estreia no domingo na SIC. De difícil catalogação, é "uma ideia absolutamente original", garantiu o diretor-geral de Entretenimento da Impresa, Daniel Oliveira, numa conferência de Imprensa por Zoom marcada pela boa disposição dos protagonistas. Para o responsável, "o cruzamento entre ficção e realidade foi muito bem conseguido".

O formato recheia-se de humor adulto, a partir da "questão do erro e do falhanço dos autores", adiantou Bruno, que divide a responsabilidade com Nuno Markl, Salvador Martinha e Filipe Melo. "Temos duas horas para escrever o episódio que será apresentado na segunda parte do programa. E é aí que entra o erro. Se alguma frase ficar a meio, se alguma palavra ficar mal escrita, se alguma coisa não fizer sentido, terá de ir tal como está... Passa por aceitar o erro, sem tentar corrigir ou desculpá-lo", acrescentou. Todos, sem exceção, assumiram uma "liberdade que normalmente não há num guião", escrevendo "sem regras".

No momento criativo, mostrado na primeira parte, "vai haver discussão, vai haver caos", revelou Filipe Melo, sublinhando que nenhum dos argumentistas está ali "a fazer número". Por isso, não se ouvirá nada que ele, Bruno, Salvador ou Markl não dissessem se estivessem sozinhos. Entre eles, há "empatia artística" o que, segundo Salvador Martinha, "é meio caminho andado" para as coisas fluírem. Desta vez, são "quatro amigos a brincar com bonecos de luxo", ou seja, Nuno Lopes, Jessica Athayde, Albano Jerónimo, Rita Cabaço e o próprio Bruno Nogueira. Eles são os cinco amigos que, semanalmente, se vão reunir para jantar. O ambiente é ditado pelos atores. O ato da criação pesa na representação, deixando tudo em aberto num horário que se colará a "Hell"s kitchen", de Ljubomir Stanisic.

Alegria constante

A pressão das audiências, assumiu Daniel Oliveira, "está agora do lado da SIC", depois da responsabilidade de Bruno Nogueira "fazer um programa de qualidade". A fasquia era alta, mas até uma mudança de visual ele protagonizou. Nas gravações, Nuno Lopes notou que "a alegria era constante". Já Jessica Athayde, que se estreia na SIC, no regresso ao trabalho após ser mãe, "andava o ano todo a fazer isto", reforçando a cumplicidade apontada pela realizadora Cristiana Miranda.

A linguagem será equilibrada para "nenhuma das partes perder a identidade", afirmou o diretor da SIC. Por isso, não será tão tradicional como é comum em televisão, mas não chegará ao extremo do que se assistiu na rubrica "Como é que o bicho mexe?", de Bruno Nogueira, no Instagram.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG