Divórcio do ano

Já se sabe a razão da fúria de Melinda que levou à separação de Bill Gates: foi Jeffrey Epstein

Já se sabe a razão da fúria de Melinda que levou à separação de Bill Gates: foi Jeffrey Epstein

Ex-mulher de Bill Gates não gostava da relação que ele mantinha com o polémico financeiro condenado por abuso sexual. E foi isso que espoletou o divórcio.

As linhas do divórcio entre Bill e Melinda Gates, que se separaram há duas semanas, espantando o Mundo naquele que é já considerado o divórcio do ano, podem ser rastreadas até 2019. Foi aí que as ligações entre o bilionário fundador da Microsoft e o polémico financeiro Jeffrey Epstein se tornaram públicas.

Epstein, como sabemos, foi condenado mais do que uma vez desde 2008, por abuso sexual de menores, e morreu na prisão por alegado enforcamento, em agosto de 2019, quando tinha 66 anos, e aguardava novo julgamento por acusações de tráfico sexual.

Melinda Gates "consultou advogados de divórcio cerca de dois anos antes de pedir a separação" do seu marido, revelou esta semana o "The Wall Street Journal". O jornal diz que o casamento de Bill, de 65 anos, e Melinda, de 56, já estava "irremediavelmente estragado". O casal esteve junto 27 anos e tem três filhos, de 19, 22 e 25 anos.

Melinda tem "reunido e trabalhado com advogados de várias firmas desde, pelo menos, 2019", acrescenta o jornal. Uma fronte diz taxativamente que "foi o relacionamento de Bill Gates com o criminoso sexual condenado Jeffrey Epstein" que desencadeou a separação.

Separação sem explicações

PUB

Quando anunciou o divórcio, o casal não deu qualquer explicação para o facto, tendo apenas emitido um comunicado conjunto no Twitter que dizia: "Não acreditamos que podemos continuar a crescer como casal nesta próxima fase das nossas vidas".

Mas notícias posteriores, nomeadamente do site de celebridades TMZ, diziam que "Melinda e o resto da família estavam furiosos" com Bill Gates devido a "certas coisas que ele teria feito". Aliás, já em março deste ano, antes do anúncio, Melinda reuniu toda a família na ilha paradisíaca de Calivigny, em Granada, no mar do Caribe, e Bill foi o único que não foi convidado para o faustoso retiro - alugar a ilha de Calivigny custa 132 mil dólares (108 mil euros) por noite.

Sabe-se agora que essas "certas coisas" que Bill Gates terá feito estarão ligadas a Jeffrey Epstein.

Contactos com Epstein desde 2013

Entretanto, uma ex-funcionária da Fundação Bill & Melinda Gates revelou ao "The Wall Street Journal" que as "preocupações de Melinda sobre o relacionamento" entre o seu marido e Epstein "já datam de 2013". São, portanto, muito anteriores à condenação do polémico financeiro - a primeira sentença, 18 meses de prisão por envolvimento com uma prostituta menor de idade, foi conhecida em 2008.

De acordo com o jornal digital "The Daily Beast", Melinda esteve presente num encontro entre o seu marido e Epstein na mansão deste último, que fica no luxuoso Upper East Side de Nova Iorque, em setembro de 2013. Depois do encontro, Melinda terá comentado que estava "furiosa com a relação entre os dois homens".

Melinda contou como se sentia "desconfortável na companhia do agressor sexual condenado", diz o "The Daily Beast", afirmando que "não queria ter absolutamente nada a ver com ele".

Fontes próximas do casal disseram ao jornal digital que "a amizade de Gates com Epstein - que durante anos foi acusado de molestar dezenas de meninas menores de idade, além de alimentar um suposto círculo de favores sexuais a clientes super-VIP - ainda assombra Melinda".

Encontros na mansão de Manhattan

Bill Gates "fez os possíveis por minimizar as relações" com o bilionário caído em desgraça, relata o jornal "The New York Times", que cita uma declaração de Bill feita em abril: "Não tinha nenhuma relação comercial ou amizade com ele".

Mas o "The New York Times" investigou e descobriu que Bill Gates "encontrou-se com Epstein em várias ocasiões", incluindo "pelo menos três vezes na mansão palaciana de Manhattan, e que, pelo menos uma vez, permaneceu na residência até de madrugada".

Os encontros remontam a 2011, pelo menos, senão mais lá atrás.

Funcionários da Fundação Bill & Melinda Gates "também fizeram várias visitas à casa de Epstein", acrescenta o jornal, enquanto o próprio Epstein falou com a Fundação Bill & Melinda Gates e o banco JP Morgan sobre a criação de um fundo solidário multibilionário comum.

Património de milhões dividido

O divórcio entre Bill e Melinda Gates centra-se agora na divisão da fortuna. A Fundação de ambos, criada em 2000 e que é a maior fundação privada do mundo, tem uma dotação atual de 49,8 mil milhões de dólares. Há ainda o património líquido de Bill Gates, que está estimado em 145 mil milhões de dólares, segundo o Índice de Bilionários da Bloomberg.

Soube-se entretanto que, no dia em que assinou os papéis do divórcio, há duas semanas, Melinda recebeu de Bill Gates dois mil milhões de dólares em ações.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG