Igreja Católica

Bento XVI decidiu renúncia ao papado em março de 2012

Bento XVI decidiu renúncia ao papado em março de 2012

Bento XVI tomou a decisão de renunciar ao papado há muito tempo, depois da viagem que fez ao México e a Cuba, revelou o diretor do diário do Vaticano, "L'Osservatore Romano", Gian Maria Vian. No dia do anúncio ao mundo, e depois do cardeal Angelo Sodano ter comparado a resignação de Bento XVI a um "trovão em céu sereno", um raio atingiu a cúpula da Basílica de S. Pedro.

"A decisão do pontífice foi tomada há muitos meses, depois da viagem ao México e a Cuba", em março de 2012, afirmou Gian Maria Vian, num artigo publicado no vespertino da Santa Sé, em que assinalou que a decisão foi tomada "por causa da avançada idade".

Nesta linha, também o cardeal secretário de Estado, Tarcisio Bertone, assegurou hoje na televisão pública italiana RAI que Bento XVI renunciou "apenas porque notou que lhe faltam forças, que não a capacidade intelectual, que continua extraordinariamente lúcida e fecunda".

O 'número dois' da Santa Sé assinalou que a decisão "foi inesperada, impressionante e comovente".

Bertone acrescentou que o papa, eleito para o cargo em 19 de abril de 2005, vai agora retirar-se para um convento, para rezar e refletir.

Resignação devido à "idade avançada"

O Papa Bento XVI anunciou esta segunda-feira a resignação, uma novidade na história moderna da Igreja, afirmando que não tem "as forças" para a dirigir devido à "idade avançada". Um novo Papa será designado para a "Páscoa", afirmou o porta-voz do Vaticano, esclarecendo que Bento XVI vai retirar-se para um mosteiro e não participará no conclave que escolherá o sucessor.

No discurso, Bento XVI disse estar "certo de que as (suas) forças, devido à idade avançada, não são mais capazes de exercer de forma adequada o ministério de Papa e bispo de Roma".

"O Papa anunciou que vai renunciar às 20 horas (19 horas em Portugal continental) de 28 de fevereiro. Nessa altura vai começar o período de escolha ("sede vacante")", precisou o padre Frederico Lombardi, porta-voz da Santa Sé, num anúncio quase sem precedentes na História da Igreja Católica.

Há poucos casos de renúncia ao cargo. O último foi Gregório XII, no século XV (1406-1415).

Ao longo do dia começaram a surgir na imprensa mundial listas de nomes da qual poderá sair o novo escolhido pelos cardeais para suceder a Bento XVI. Muitos apostam que será escolhido um Papa mais jovem e do hemisfério sul.

Discurso de Bento XVI, revelado pelo Vaticano:

"Caríssimos Irmãos, convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idóneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando. Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado. Por isso, bem consciente da gravidade deste ato, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de abril de 2005, pelo que, a partir de 28 de fevereiro de 2013, às 20.00 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice", anunciou.

"Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima, que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus", concluiu Bento XVI.