Perfil

Pedro Pichardo, o cubano que escolheu Portugal para voar mais alto

Pedro Pichardo, o cubano que escolheu Portugal para voar mais alto

Pedro Pablo Pichardo Peralta nasceu em Santiago de Cuba, no último dia de junho de 1993. Vinte e três anos depois, em 2017, desertou do estágio da seleção cubana de atletismo na Alemanha e escolheu Portugal para viver. Na altura, tinha sete saltos acima do recorde nacional de Nelson Évora. É um dos cinco triplistas que conseguiram ultrapassar a marca dos 18 metros em competição.

Este domingo, aos 27 anos, Pedro Pichardo venceu a prova de triplo salto dos Europeus de atletismo de pista coberta de Torun, na Polónia, com a marca de 17,30 metros, alcançada no primeiro ensaio. Foi a estreia do luso-cubano em provas continentais a representar Portugal. Era o favorito ao ouro, por ser o líder europeu do ano, com 17,36 metros, e também por ter sido o melhor na qualificação em Torun, único a passar os 17 metros.

A nível pessoal, "gosta do sol do Algarve, por ser a zona mais parecida com a sua terra natal e gosta da comida portuguesa, apenas não apreciando o tradicional bacalhau", lê-se no seu perfil no site do Comité Olímpico de Portugal. E "se não tivesse ido para o atletismo, teria sido atleta de boxe".

Pichardo mostrou desde cedo que o seu futuro reservava altos voos. Foi Campeão Mundial Júnior em 2012, aos 19 anos, e venceu a medalha de prata no Campeonato Mundial de 2013. O seu salto triplo de 17,79 metros foi o melhor do ano de 2014. Em 2015, com a marca de 17,94 metros já era o sexto melhor triplista de sempre. Uma semana depois, conseguiu melhorar o seu recorde para uns impressionantes 18,06 metros, tornando-o um dos únicos cinco atletas a conseguir ultrapassar a marca dos 18 metros.

O salto que fez em 15 de maio de 2015 em Doha, no Qatar, também fez dele o terceiro melhor triplista de todos os tempos. Essa foi aliás a primeira competição na história a ter dois homens a saltar mais de 18 metros, com Christian Taylor a atingir os 18,04 metros, naquela que ficou conhecida como "a maior competição de salto triplo de todos os tempos".

No dia 28 de maio de 2015, quando tinha 21 anos, Pichardo atingiu o seu atual recorde pessoal de 18,08 metros na competição Copa Cuba-Memorial Barrientos, em Havana, superando em dois centímetros o seu anterior registo, que tinha alcançado duas semanas antes. O atleta obteve a quarta melhor marca mundial no triplo salto, sendo apenas superado pelos norte-americanos Kanny Harrison (18,09) e Christian Taylor (18,21) e pelo britânico Jonathan Edwards (18,29).

PUB

No início de 2016, Pichardo sofreu uma microfratura num tornozelo. Falhou o Mundial de pista coberta e queria ir aos Jogos Olímpicos do Rio16, mas os médicos cubanos decidiram que ainda não estava em condições, decisão que lhe custou a aceitar. Pichardo incompatibilizou-se com a federação cubana por não o deixar ser treinado pelo pai e chegou mesmo a ser suspenso.

Em abril 2017, aos 23 anos, Pichardo desertou do estágio da seleção cubana em Estugarda, na Alemanha, e viajou para Portugal, onde ficou a viver na condição de refugiado. Uma semana depois de chegar ao país, assinou contrato com o S.L. Benfica. Em dezembro desse ano, passou a ser cidadão português e a defender as cores nacionais.

"Quero agradecer ao Benfica e a Portugal este privilégio. Estou disponível e em boa forma física para dar o melhor pelo clube. Isso é o mais importante", disse o atleta em dezembro de 2017, depois da conclusão do processo de naturalização, que durou apenas sete meses.

Na altura, Pichardo era apontado como uma das maiores promessas do triplo salto mundial, com onze saltos entre os 100 melhores de sempre, sete dos quais acima do recorde nacional de 17,74 metros do português Nelson Évora.

Em 2018, tornou-se no detentor do recorde nacional de Triplo Salto e da melhor marca do ano, ao conseguir saltar 17,95 metros no meeting de Doha da Diamond League, no qual ficou em primeiro lugar. Meses depois, sagrou-se campeão da Diamond League pela primeira vez na carreira, conquistando o título no meeting de Bruxelas.

Mas a primeira grande competição em que Pichardo representou as cores portuguesas foi o Campeonato do Mundo de 2019 em Doha, no Qatar. Antes, na IAAF Diamond League 2019, em Londres, conseguiu a melhor marca pessoal da época com 17,53 metros e ganhou a medalha de ouro.

Em 2020, a competição parou até meados de julho devido à pandemia da covid-19. No regresso, Pichardo mostrou que manteve o seu nível alto, vencendo a primeira competição do ano, nos Inspiration Games da IAAF, e conseguindo novamente o ouro na IAAF Diamond League 2020, com uma marca de 17,40 metros.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG