F. C. Porto

Sérgio Conceição: "Marega? O que conta não é o malabarismo"

Sérgio Conceição: "Marega? O que conta não é o malabarismo"

Sérgio Conceição, treinador do F. C. Porto, gostou do que viu a equipa fazer na goleada (6-1) ao Moreirense, esta segunda-feira, no Estádio do Dragão, em jogo da 33.ª jornada da Liga.

"Foi um jogo contra uma equipa que está tranquila na tabela, que tem feito um trabalho excelente, que nos últimos 14 jogos só tinha perdido uma vez. Sabíamos das dificuldades e que era preciso um F. C. Porto com o espírito que teve contra o Sporting. Só assim conseguiríamos gerir o jogo como queríamos. Entrámos bem, na primeira parte tivemos momentos interessantes com bola, mas sem bola estivemos muito mal. A segunda parte foi melhor, estivemos melhor no processo defensivo e, naturalmente, com a qualidade e com o bom espírito conseguimos chegar a estes números", analisou o técnico portista no final da partida.

A chamada de Diogo Costa ao "onze" titular, segundo Sérgio Conceição, foi uma forma de premiar o trabalho do jovem guarda-redes. E justificou: "Tínhamos este jogo para preparar e preparei assim, dando minutos ao Diogo Costa, porque tem trabalhado na sombra. Os mais utilizados para estarem a grande nível precisam de um grande trabalho dos menos utilizados. Dou tanta ou mais importância a estes do que aos que jogam, porque os que jogam não precisam de moral, não precisam de palavras do treinador. Um grupo competitivo tem a ver com esse respeito relativamente às escolhas que o treinador faz durante o ano".

O técnico dos azuis e brancos também ficou agradado com as mensagens a congratulá-lo pelo título que lhe foram endereçadas pelos outros colegas da Liga, treinador do Benfica incluído. "Recebi muitas mensagens de treinadores da Liga. A do Nélson Veríssimo, mas muitos outros mandaram mensagens a felicitar pelo título. Agradeço a todos eles e a todas as pessoas que me felicitaram. Foi um título que deu muito trabalho e é merecido", finalizou Sérgio Conceição.

Sérgio Conceição também explicou a saída de Fábio Vieira antes do intervalo: "O Fábio não estava a conseguir interpretar muito bem esses tais momentos sem bola que eu tanto queria. É um menino que chegou aqui há pouco tempo, meti o Corona por dentro pelas características dele e achava que haveria pouco espaço entre linhas", explicou o treinador em declarações ao Porto Canal.

O treinador falou ainda sobre o golaço de livre de Marega e as críticas feitas ao jogador: "Muita gente critica o Marega porque acha que a sua técnica não é a melhor, mas para mim técnica é isso, o movimento que ele faz, o estar na cara do golo com uma facilidade incrível, a maneira como pega na bola no momento de rematar à baliza. Para mim é isso que conta num jogador e não o malabarismo, que isso é no circo e nós somos uma equipa de futebol".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG