Exclusivo

Medo dos juros motiva subida de 30% nas amortizações do crédito à habitação

Medo dos juros motiva subida de 30% nas amortizações do crédito à habitação

Reembolsados mais de 5,7 mil milhões de euros em 2021. Altura é boa para amortizar, mas só nalguns casos, dizem especialistas.

Os portugueses amortizaram, em 2021, mais de 5,7 mil milhões de euros de créditos à habitação, o que representa um crescimento de 30% face a 2020 e de 19% face a 2019. A corrida às amortizações deve-se à subida das taxas de juro, que já se previa, e à existência de poupanças que não se gastaram na pandemia de covid-19.

Em 2021, houve 132 375 reembolsos de créditos à habitação, num total de 5,7 mil milhões de euros, de acordo com o Banco de Portugal. A maioria, 5,3 mil milhões, é referente a reembolsos totais, em que o crédito ficou liquidado (cerca de 89 mil contratos). Os outros 400 milhões são reembolsos parciais (quase 43 mil contratos). Em média, quem optou pelo reembolso total entregou 59 791 euros ao banco, enquanto que o reembolso parcial foi, em média, de 9684 euros. Os créditos mais baixos, até 25 mil euros, representam quase um terço do total de empréstimos liquidados, ao passo que mais de metade de quem optou pelo reembolso parcial não entregou mais do que 2500 euros ao banco onde contraiu o crédito.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG