Pena suspensa

Cadastrado condenado por passar notas falsas e abusar de crédito em gasóleo

Cadastrado condenado por passar notas falsas e abusar de crédito em gasóleo

Um homem, de 50 anos, acaba de ser condenado numa pena de prisão de três anos, mas suspensa, por passar duas notas falsas de 20 euros numa estação de serviço e por gastar mais gasóleo do que estava autorizado pela empresa onde trabalhava.

Por sentença da última semana, o arguido tem de pagar à empresa 21 725 euros, pelos consumos indevidos de combustível feitos entre agosto e dezembro de 2018.

O arguido, que já havia sido condenado por violência doméstica, tem problemas de toxicodependência desde que prestou o serviço militar obrigatório e vem registando recaídas. Esta semana, o Tribunal de Braga condenou-o por crimes de passagem de moeda falsa e de abuso de confiança.

O arguido era técnico de manutenção numa empresa instalada no Parque Industrial de Sequeira, em Braga, e tinha direito a um bónus mensal de 25 euros para o combustível gasto nas deslocações entre a sua casa e o emprego.

Em julgamento, provou-se que, em menos de meio ano, o técnico gastou mais 21 725 euros em gasóleo do que tinha direito a fazer. Segundo o tribunal, pagava os abastecimentos abusivos com recurso a um cartão BP Frota, lesando a Feliz Precisão, como se chama a empresa onde trabalhava.

O tribunal também deu como provado que, em 21 de julho de 2020, o funcionário daquela empresa bracarense pagou com duas notas falsas de 20 euros o abastecimento de gasóleo, numa estação de serviço da BP, na Variante Sul de Braga, de onde fugiu de imediato, enquanto a empregada chamava por ele.

Em 2015, o homem já tinha sido condenado numa pena suspensa de dois anos e dois meses por violência doméstica. Presentemente, trabalha para outra empresa de Braga.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG