Sporting

Bruno de Carvalho pernoita no posto da GNR de Alcochete

Bruno de Carvalho pernoita no posto da GNR de Alcochete

O ex-presidente do Sporting, Bruno de Carvalho, foi detido este domingo, no âmbito da investigação às agressões em Alcochete. Vai passar a noite numa cela do posto da GNR.

Bruno de Carvalho vai passar a noite no posto da GNR de Alcochete. A informação foi confirmada pelo advogado do ex-presidente do Sporting, José Preto. Em declarações à RTP considerou que "não são boas" as condições em que o ex-líder leonino vai pernoitar nas instalações da Guarda.

José Preto chegou ao posto da GNR de Alcochete cerca das 0.30 horas desta segunda-feira. identificou-se como advogado de Bruno de Carvalho e entrou nas instalações. Cerca de 10 minutos depois saiu, falando apenas das condições no posto da GNR. Bruno de Carvalho terá chegado ao local por volta das 0.10 horas, num carro celular.

"Não compreendemos que há 15 dias Bruno de Carvalho apresentou-se voluntariamente ao Ministério Público para colaborar com a Justiça, que seja deito a um domingo, à noite, em casa em circunstâncias que consideramos revoltantes", disse ao JN o advogado do ex-líder do Sporting, José Preto, ao início da noite, pouco depois de se saber que o ex-presidente do Sporting, e Mustafá, um dos líderes da "Juve Leo", haviam sido detidos, no âmbito da investigação às agressões em Alcochete.

A GNR fez buscas na casa de de Bruno de Carvalho, no Lumiar. O ex-presidente do Sporting esteve na habitação enquanto decorreram as diligências e saiu de casa sob detenção para passar a noite numa cela, até ser presente a um juiz, o que será possível apenas amanhã.

Mustafá esteve à guarda das autoridades nas instalações da "Juve Leo", contíguas ao estádio José de Alvalade, enquanto decorriam as buscas. Deixou o local cerca das 21.30 horas, escoltado pela GNR.

Vão ficar presos à espera de serem ouvidos por um juiz. Segundo a Lei, têm de ser ouvidos no prazo máximo de 48 horas.

A detenção de Bruno de Carvalho e de Mustafá foi confirmada pela Procuradoria-geral da República (PGR). "Ao abrigo do disposto no art.º 86.º, n.º 13, al. b), do Código de Processo Penal, confirma-se que foram efetuadas duas detenções no âmbito do inquérito relacionado com as agressões na Academia do SCP em Alcochete", refere a PGR em resposta à Lusa, indicando que os detidos "serão oportunamente presentes ao Juiz de Instrução Criminal para aplicação das medidas de coação".

Há 38 arguidos em prisão preventiva

A 15 de maio, um grupo de adeptos invadiu a Academia do Sporting, em Alcochete. Vários jogadores foram agredidos.

Com as detenções de Bruno de Carvalho e Mustafá, são 40 os detidos na sequência das agressões em Alcochete. Estão em prisão preventiva 38 arguidos, dos quais 23 foram detidos no dia dos acontecimentos, e os restantes em junho e julho. Entre eles, está o antigo líder da claque Juventude Leonina Fernando Mendes e Bruno Jacinto, Oficial de Ligação aos Adeptos.

Os 38 arguidos que aguardam julgamento em prisão preventiva são todos suspeitos da prática de diversos crimes, designadamente de terrorismo, ofensa à integridade física qualificada, ameaça agravada, sequestro e dano com violência.

Bruno de Carvalho, que à data dos acontecimentos liderava o clube, foi, entretanto, destituído em Assembleia-Geral e impedido de concorrer à presidência do clube, atualmente ocupada por Frederico Varandas.

Após este episódio, alguns futebolistas rescindiram contrato com o Sporting. Rui Patrício, Rafael Leão, Daniel Podence e Gelson Martins saíram em litígio com o Sporting e transferiram-se para outros clubes, enquanto Ruben Ribeiro ainda está sem clube.

Bas Dost, Bruno Fernandes e Rodrigo Battaglia voltaram atrás na decisão de abandonar o Sporting, enquanto William Carvalho saiu para o Betis, de Espanha, após acordo do clube espanhol com os "leões".