O Jogo ao Vivo

Julgamento Rui Pinto

Jorge Jesus: "nunca liguei nenhuma" ao ataque do Football Leaks

Jorge Jesus: "nunca liguei nenhuma" ao ataque do Football Leaks

Jorge Jesus, testemunha no processo Football Leaks, foi ouvido esta terça-feira, em Lisboa. O treinador desvalorizou o facto de o seu contrato com o Sporting ter sido divulgado no site Football Leaks, em 2015. "Nunca liguei nenhuma a isso" e "nem sei por que é que estou aqui", afirmou.

À época dos factos, Jorge Jesus, agora treinador do Benfica, orientava o rival Sporting. O técnico garantiu ao tribunal que nunca usou qualquer e-mail de trabalho no clube de Alvalade e relativizou os efeitos do ataque informático alegadamente levado a cabo por Rui Pinto.

"Nunca foi uma coisa a que desse grande importância. Se quer que lhe diga, nem sei por que é que estou aqui", afirmou Jesus à procuradora do Ministério Público. A juíza presidente interrompeu o técnico, recordando-o de que foi chamado por ter sido arrolado como testemunha por várias partes.

Jorge Jesus admitiu ter sabido, na altura do ataque, que o seu contrato tinha sido tornado público. "Soube, mas isso a mim não me preocupou nada. Não tenho nada a esconder. Pago os meus impostos, mais de 50%. Isso a mim nunca me preocupou, nunca valorizei isso".

Tratou procuradora por "você"

Questionado sobre se os possíveis danos causados pelo hacker ao Sporting lhe eram indiferentes - uma vez que manteve sempre uma postura de desvalorização da audiência ao longo dos cerca de 15 minutos em que esteve perante o coletivo de juízes -, Jesus afirmou: "Sei lá o que é que [o ataque] causou ao Sporting. Sou treinador, não sou presidente do Sporting".

Jorge Jesus, que fez o depoimento sem máscara, revelou alguma impaciência face às perguntas do Ministério Público. Após a procuradora ter insistido a questioná-lo sobre se alguma vez esteve na Hungria, e após já ter respondido, num primeiro momento, que apenas lá tinha estado há 40 anos, o treinador atirou: "Falo português, ou não?".

A dada altura, Jesus dirigiu-se à procuradora usando a palavra "você", sendo repreendido pelo coletivo de juízes por não utilizar, em vez disso, a expressão "senhora procuradora".

O treinador ainda reagiu de forma irónica quando lhe mencionaram o nome de Rui Pinto. Virando-se para trás, na direção do hacker, apontou, perguntando: "É aquele menino, não é?".

A sessão desta terça-feira prossegue com as declarações de Alexandre Godinho, antigo membro da direção do Sporting.

Outras Notícias