Operação Éter

Melchior suspeito de passar férias à custa de hoteleiros

Melchior suspeito de passar férias à custa de hoteleiros

Empresários negam em julgamento ter oferecido estadia para ganhar simpatia do então presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal.

Melchior Moreira, o ex-presidente do Turismo do Porto e Norte de Portugal (TPNP) que começou esta quarta-feira a ser julgado com outros 28 arguidos acusados de desviar ou receber indevidamente um total de 620 mil euros, passou uma semana de férias num hotel quatro estrelas do Algarve à custa dos donos de uma cadeia de hotéis que ambicionavam construir um empreendimento hoteleiro na cidade do Porto. Os dois empresários, pai e filha, negaram perante o coletivo de juízes terem convidado Melchior e família para obter simpatias do então líder do turismo do Norte.

Helena Palminha e o pai, Joaquim Palminha, são donos do Santo Eulália Apartamento & Spa, em Albufeira. De acordo com a acusação do Ministério Público (MP), os empresários ambicionavam construir um hotel na cidade do Porto e ofereceram uma estadia na unidade do Algarve à Melchior Moreira para "gerar um clima de permeabilidade e simpatia para atos que viesse a realizar no futuro no âmbito das suas funções".

PUB

"Não precisávamos desse senhor [Melchior Moreira] para nada. Já tínhamos o hotel aprovado e licenciado", disse Joaquim Palminha.

A filha explicou que Melchior foi uma pessoa com quem simpatizou num almoço, no Porto. "Era um portuense sportinguista, do meu clube. Passamos a ser amigos e, todos os anos, organizamos uma festa com muitos convidados no Santo Eulália. Convidei-o. Foi uma cortesia. Não por ter qualquer tipo de interesse por o senhor ser presidente do TPNP", disse a empresária.

A festa teve lugar a 18 de agosto de 2017, mas nessa data Melchior não se podia deslocar ao Algarve e acabou por ser convidado no hotel de quatro estrelas entre 26 de agosto e 1 de setembro. "Como ele não podia vir na data da festa, veio mais tarde, até para conhecer as nossas instalações. Nunca imaginei que poderia estar a cometer um crime", rematou a empresária Helena Palminha.

Melchior Moreira, que vai prestar declarações ao tribunal, será o último arguido a falar, por decisão do juiz presidente.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG