PGR

Rui Pinto está acusado de 147 crimes

Rui Pinto está acusado de 147 crimes

Advogado Aníbal Pinto também está acusado do crime de extorsão na forma tentada. Investigação ainda está a tentar decifrar informação pirateada.

A Procuradoria-Geral da República (PGR) confirma que Rui Pinto está acusado de um crime de extorsão na forma tentada, 75 de acesso ilegítimo, um de sabotagem informática e 70 de violação de correspondência, sendo sete destes agravados. A mesma entidade refere que foi deduzida acusação por um crime de extorsão na forma tentada a um segundo arguido, no caso Aníbal Pinto, advogado do hacker de Vila Nova de Gaia.

Em comunicado, a PGR explica que, "a partir do início do ano de 2015 e até 16 de janeiro de 2019", Rui Pinto "muniu-se de conhecimentos técnicos e de equipamentos adequados que lhe permitiram aceder, de forma não autorizada, a sistemas informáticos e a caixas de correio eletrónico de terceiros". Para o efeito, continua a PGR, "instalou, nos seus equipamentos, diversos programas informáticos e ferramentas digitais que lhe permitiam, de forma dissimulada e anonimizada, entrar nos mencionados sistemas informáticos e caixas de correio de terceiros e daí retirar conteúdos".

Na acusação agora deduzida, Rui Pinto é descrito como o autor, em setembro de 2015, do site "Football Leaks", "cujo conteúdo foi sendo alimentado com recurso a documentos" retirados das caixas de email pirateadas. Recorde-se que o "Football Leaks" divulgava informações confidenciais, designadamente valores de transferência de jogadores e treinadores, acordos entre entidades desportivas, cláusulas de contratos desportivos e de agenciamento de jogadores".

Sporting, FPF, sociedade de advogados e PGR alvo de pirataria

Segundo a PGR, o Sporting Clube de Portugal, a Federação Portuguesa de Futebol, a sociedade de advogados PLMJ e a própria Procuradoria-Geral da República foram alvo do homem detido na Hungria, em janeiro deste ano. Rui Pinto acedeu "a documentos destas entidades sujeitos a segredo de justiça, segredo profissional de advogado e segredo comercial", bem como a "computadores de responsáveis da Doyen Sports" para, "assumindo uma identidade fictícia, entrar em contacto com o representante legal daquele fundo de investimento dizendo que pretendia uma quantia entre 500 mil e 1 milhão de euros para que toda a informação que tinha na sua posse fosse eliminada de seguida".

É neste contexto que o advogado Aníbal Pinto também é envolvido no enredo, uma vez que, para o Ministério Público, Rui Pinto entrou em contacto com o causídico pedindo-lhe que colaborasse nos contactos com a Doyen. Aníbal Pinto é acusado de ter "apoiado o plano e encetado diligências no sentido da obtenção de um acordo, o qual acabou por não acontecer".

Diligências prosseguem para decifrar mais emails

O Ministério Público continua a fazer diligências para conseguir aceder "a informação cifrada constante de dispositivos apreendidos" a Rui Pinto e que foi retirada de "sistemas informáticos e caixas de correio de muitas outras entidades, públicas e privadas". Foi, neste sentido, determinada "a extração de certidão para prosseguimento destas três investigações".

Rui Pinto continua em prisão preventiva, "medida de coação que o Ministério Público entende ser de manter", enquanto Aníbal Pinto "encontra-se sujeito a termo de identidade e residência".