Indignação

Carrinha circula em Paredes com raposa e coelhos mortos pendurados

Carrinha circula em Paredes com raposa e coelhos mortos pendurados

Uma fotografia de animais de caça mortos pendurados numa carrinha pertencente a uma cooperativa, numa freguesia de Paredes, gerou indignação nas redes sociais. O presidente da coletividade recusou comentar, ficando-se por uma referência a Jorge Jesus e Camões. A GNR está a averiguar.

A imagem começou a circular no Facebook durante a tarde, depois de o grupo IRA - Intervenção e Resgate Animal ter denunciado o caso, que provocou descontentamento e lamentação gerais. Uma carrinha de uma cooperativa de distribuição de água da freguesia Parada de Todeia, em Paredes, circulou na rua, esta segunda-feira, a exibir uma raposa e outros dois animais (aparentemente coelhos) pendurados por corda no tejadilho e num espelho retrovisor.

A viatura pertence à Cadopato - Cooperativa de Água Domiciliária de Parada de Todeia, responsável por abastecer com água as casas da localidade, resultado da união de esforços de habitantes da freguesia face à ausência de abastecimento público.

Responsável imita "inveja" de Jesus

Questionado pelo JN, o presidente da cooperativa, Armando Barbosa, recusou alongar-se nos comentários sobre o caso, tendo inclusive desligado um primeiro contacto telefónico e rejeitado um segundo. Apenas explicou que é "caçador há mais de 40 anos" com "autorização para caçar raposas e coelhos" e foi atrás do que disse Jorge Jesus, numa conferência de imprensa depois do Grémio - Flamengo (0-1) de dia 17 de novembro, quando o técnico português citou Camões para falar de "inveja". "É tudo inveja", reproduziu o responsável pela cooperativa.

O presidente da Junta de Freguesia de Parada de Todeia, Albino Silva, disse que foi alertado para a imagem ao final da tarde e garantiu que nem a Junta nem a Câmara têm qualquer responsabilidade ou ligação à cooperativa, como tem sido escrito na Internet, lamentando o episódio e demarcando-se daquilo que considerou ser um "ato de exibicionismo".

Por sua vez, fonte da GNR de Paredes disse não ter conhecimento da situação mas, na sequência do contacto com o JN, iniciou diligências para averiguar o caso que, garantiu a fonte, pode ser remetido aos tribunais dependo do que resultar da avaliação que for feita. A Guarda adiantou ainda não ter recebido qualquer denúncia até às 19 horas e esclareceu que os animais em causa não são espécies protegidas.

* com Roberto Bessa Moreira

Outras Notícias

Outros Conteúdos GMG