Acidente

Um morto em queda de helicóptero de combate a incêndios em Valongo

Um morto em queda de helicóptero de combate a incêndios em Valongo

Um helicóptero de combate a incêndios caiu, esta quinta-feira à tarde, na zona de Sobrado, Valongo, causando a morte ao piloto, o único ocupante da aeronave.

A vítima mortal é Noel Ferreira, comandante dos Bombeiros de Cete e piloto da Força Aérea.

Uma testemunha conta ao JN que viu o helicóptero a colidir com um poste de alta tensão e a cair, tendo ouvido um ruído. Quando a aeronave caiu, explodiu e fez com que as chamas de um pequeno foco de incêndio alastrassem.

"Bateu num cabo de alta tensão. Vimos uma faísca quando a hélice bateu. Deu duas voltas no ar e caiu", disse ao JN uma outra testemunha, Manuel Esteves. Segundo ele, o helicóptero tinha acabado de deixar cinco tripulantes no solo.

Um outro helicóptero encontrava-se no local com uma equipa do Grupo de Intervenção de Proteção e Socorro da GNR e foi o piloto dessa aeronave o primeiro dar o alerta para o acidente.

Cerca das 19 horas, decorriam no local operações de rescaldo e de preparação do terreno para que os elementos de investigação pudessem chegar aos destroços da aeronave, revelou Bruno Fonseca, comandante dos Bombeiros de Valongo, num primeiro ponto da situação no terreno, às 19.20 horas.

Segundo aquele responsável, o acidente deu-se quando o helicóptero se encontrava em operações de combate a um pequeno incêndio, mas que se estava a desenvolver com intensidade.

"Fez o desembarque da brigada no terreno e iniciou as operações de combate. São tripulantes operacionais, preparados para acompanhar o trabalho do meio aéreo. Tinham acabado de ser largados de modo a colmatar os trabalhos dos meios aéreos", explicou aos jornalistas. O helicóptero foi totalmente tomado pelas chamas, mas não foi possível perceber se o fogo foi causado pelo acidente ou pelo incêndio que se estava a desenvolver.

Bruno Fonseca, que fez recruta na Força Aérea com o piloto Noel Ferreira, lamentou a morte, classificando-o de "muito experiente e humilde".

O helicóptero pertence à HeliBravo e estava ao serviço da Afocelca, associação de empresas de celulose, que já expressou "o mais profundo pesar à família e amigos da vítima". As circunstâncias do acidente ainda estão a ser apuradas, revela um comunicado do agrupamento complementar de empresas da ALTRI e da The Navigator Company.

O alerta para o incêndio foi dado pelas 16.05 horas, mas a chamas já se encontram extintas. No local, permanecem 96 apoiados por 23 veículos.

Com este acidente, contabilizam-se pelo menos seis desastres com aeronaves de combate a incêndios durante este ano, depois de se terem registado situações em Ferreira do Zêzere e Tomar junto à Barragem de Castelo de Bode (distrito de Santarém), Pampilhosa da Serra (Coimbra), barragem do Beliche (Algarve) e Sabugal (Guarda).

Em dezembro de 2018, a queda de um helicóptero do INEM na zona de Valongo provocou a morte a quatro pessoas.