Brasil

Bolsonaro culpa ator Leonardo DiCaprio por incêndios na Amazónia

Bolsonaro culpa ator Leonardo DiCaprio por incêndios na Amazónia

O presidente brasileiro, Jair Bolsonaro, culpou esta sexta-feira o ator norte-americano Leonardo DiCaprio por fazer doações a organizações não-governamentais (ONG) que, segundo o chefe de Estado, estão por trás de alguns dos incêndios na floresta amazónica.

"DiCaprio é um bom sujeito, não é? A dar dinheiro para incendiar a Amazónia", disse esta sexta-feira Bolsonaro a apoiantes, à saída do Palácio do Alvorada, em Brasília.

A organização ambiental de DiCaprio, que é uma das vozes mais ativas em prol da defesa ambiental, prometeu cinco milhões de dólares (4,5 milhões de euros) para ajudar a proteger a Amazónia, após grandes incêndios terem destruído, em julho e agosto, uma grande parte daquela que é a maior floresta tropical do mundo.

As declarações de Bolsonaro foram feitas no seguimento da prisão preventiva, na terça-feira, de quatro bombeiros voluntários ligados a uma ONG, por suspeitas de terem provocado incêndios florestais em Alter do Chão, região norte do país, pertencente à Amazónia. A justiça ordenou entretanto a libertação dos homens.

As autoridades brasileiras também fizeram buscas e apreenderam a sede da ONG Projeto Saúde e Alegria, uma das mais reconhecidas na região e cujo diretor, Caetano Scannavino, negou qualquer tipo de irregularidade.

O delegado da Polícia Civil do Pará, José Humberto de Melo, alegou, em entrevista ao jornal "O Estado de São Paulo", que pelo menos três ONG - Brigada Alter do Chão, Aquíferos Alter do Chão e Projeto Saúde e Alegria - teriam causado os incêndios que atingiram a região de Alter do Chão.

Ainda segundo o delegado, as ONG criavam focos de incêndio para depois os fotografar, para depois venderam as fotos do fogo por 47 mil reais (10 mil euros) à ONG World Wide Fund (WWF) - Brasil.

O chefe de Estado usou a sua transmissão de vídeo semanal na rede social Facebook, nesta quinta-feira, para dizer que DiCaprio doou dinheiro à WWF, e que estaria, dessa forma, a colaborar com as queimadas da Amazónia.

"O pessoal ali da ONG fizeram o que é mais fácil: colocaram fogo no mato. Tiraram foto, filmaram, mandaram para a ONG [WWF]. A ONG divulgou aquilo, faz campanha contra o Brasil, entra em contacto com o Leonardo DiCaprio, que então doa milhares para essa ONG [...] Uma parte [da verba] foi para pessoal que ateou fogo", afirmou Bolsonaro em direto no Facebook, acrescentando que o ator "passou a vergonha do ano".

Contudo, em comunicado, a WWF contradisse as informações da polícia brasileira e de Bolsonaro, alegando que assinou um contrato com o Instituto Aquífero Alter do Chão para ajudar na compra de equipamentos de combate a incêndios.

A ONG frisou também que não adquiriu nenhuma foto ou imagem da Brigada, nem recebeu doações do ator Leonardo DiCaprio, acrescentando: "Essas informações que circulam não são verdadeiras".