Fronteiras

Doze países pedem que UE financie barreiras físicas contra migrantes

Doze países pedem que UE financie barreiras físicas contra migrantes

Doze Estados membros da União Europeia pediram à UE que financie a construção de "barreiras físicas" para proteger as fronteiras externas, considerando que os migrantes são utilizados como arma política por países terceiros.

Numa carta dirigida à Comissão Europeia, Áustria, Bulgária, Chipre, Dinamarca, Eslováquia, Estónia, Grécia, Hungria, Letónia, Lituânia, Polónia e República Checa sublinham que "as barreiras físicas parecem ser uma medida eficaz de proteção das fronteiras, que serve o interesse de toda a UE, não apenas dos Estados membros na linha da frente".

Por isso, acrescentam, "esta medida legítima deveria ser financiada adicional e adequadamente pelo orçamento da UE", segundo a agência noticiosa espanhola EFE.

"Recebemos (a carta) e responderemos no momento devido", disse o porta-voz comunitário Eric Mamer na conferência de imprensa diária da Comissão.

Precisamente esta sexta-feira, reúnem-se no Luxemburgo os ministros do Interior da União para abordar a situação das rotas migratórias e o fenómeno recente, mas "preocupante", segundo Bruxelas, dos países terceiros que, como a Bielorrússia, instrumentalizam a migração com fins políticos.

A carta defende que para responder à instrumentalização dos fluxos migratórios são necessárias, "sem demora, soluções europeias", considerando que os meios disponíveis, nomeadamente o acordo de Schengen, não são os mais adequados.

PUB

Os 12 países consideram "mais relevante e sustentável" uma "proteção mais forte das fronteiras, normas comuns para a vigilância das fronteiras externas e a prevenção de passagens ilegais".

A UE acusou a Bielorrússia de orquestrar um enorme aumento do fluxo de migrantes à Polónia, Lituânia e Letónia através das suas fronteiras como retaliação pelas sanções impostas a Minsk na sequência da repressão que o regime tem feito à oposição.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG