Espanha

Explosão em Tarragona matou homem a três quilómetros do local

Explosão em Tarragona matou homem a três quilómetros do local

Sergio Millán, de 59 anos, foi uma das três vítimas mortais da explosão num complexo petroquímico em Tarragona, na Catalunha, na terça-feira. Era fruteiro e uma pessoa muito acarinhada no bairro de Torreforta. Foi surpreendido, momentos após o acidente, por uma placa de metal que entrou pela casa dentro. A três quilómetros de distância do local da explosão.

O projétil, com 1,65 metros por 1,20 metros e cerca de uma tonelada de peso, entrou por uma janela do prédio em que Sergio morava, causando danos à parede do edifício e fazendo desabar o telhado do segundo andar, devido ao peso do metal, que caiu por cima do homem e lhe provocou a morte.

Ao jornal espanhol "La Vanguardia", o presidente da Câmara de Tarragona, Pau Ricomà, descreveu o sucedido como "quase impossível", sendo porém "a hipótese mais provável" que explica a causa da morte de Sergio.

A vítima vivia com a mulher num apartamento do segundo andar no número 7 da praça Gracía Lorca, no bairro de Torreforta, onde se gerou grande "comoção" entre os vizinhos. Sergio era "muito querido" entre as pessoas do bairro e fazia parte de uma família bem conhecida que tinha uma histórica loja de fruta, que fechou há cerca de quatro anos.

Logo após o acidente, a onda de choque da explosão foi considerada como principal hipótese para o colapso do telhado da casa da vítima, o que teria causado a morte de Sergio. No entanto, depois de avaliado o local, os peritos concluíram que foi uma placa de metal da cobertura do reator que causou a morte.

Número de mortos sobe para três

Um hospital de Barcelona anunciou esta tarde de quarta-feira a morte de um dos feridos em estado crítico na sequência da explosão num complexo petroquímico de Tarragona, elevando para três as vítimas mortais.

Fontes do hospital Vall d'Hebron de Barcelona referiram à agência noticiosa EFE a morte desta pessoa, que estava internada na unidade de queimados com queimaduras em 80% do corpo. Nesta unidade de Vall d'Hebron permanece internada uma segunda pessoa em estado muito grave, segundo as mesmas fontes.

A explosão de um reator na empresa 'Industrias Químicas del Óxido de Etileno' (IQOXE), situada no município de Tarragona, também provocou queimaduras graves a uma terceira pessoa, que se encontra no Hospital Joan XXIII, de Tarragona.

Outras cinco pessoas sofreram ferimentos ligeiros e três tiveram alta hospitalar na terça-feira.

O município de Tarragona decretou dois dias de luto oficial pelas vítimas do acidente.