Covid-19

Índia começa a vacinar maiores de 18 anos mas faltam doses

Índia começa a vacinar maiores de 18 anos mas faltam doses

A Índia iniciou, este sábado, uma nova fase no seu plano de vacinação ao estender a todos os maiores de 18 anos, acelerando o ritmo da campanha de imunização para permitir aliviar o país do impacto da segunda onda de infeções.

Esta nova etapa, da qual mais de 500 milhões de pessoas serão beneficiadas, permitirá que todos os grupos populacionais nascidos antes de 1 de janeiro de 2002 se registem na plataforma digital COWIN para receber a primeira dose da vacina. Nessa fase, os fabricantes de vacinas fornecerão 50% das suas doses ao governo central para garantir a distribuição equitativa pelos estados, libertando a outra metade para empresas e hospitais privados.

O preço de cada dose nos centros públicos do país foi fixado em 300 rúpias (quase 3,40 euros) para a Covishield e 400 (4,50 euros) para a Covaxin, depois de ambas as empresas terem reduzido o preço para garantir o suplemento vacinal.

PUB

Até agora, a vacinação estava aberta a maiores de 45 anos, trabalhadores da linha de frente e pessoal de saúde, que receberam as vacinas produzidos na Índia: Covishield, a fórmula da AstraZeneca fabricada pelo Serum Institute of India (IBS) e Covaxin, do laboratório indiano Bharat Biotech. Além disso, espera-se que em breve a vacina russa Sputnik V esteja também disponível para a inoculação no país.

Vacinas insuficientes

A Índia espera desbloquear o colapso da saúde que causou essa segunda onda agressiva de infeções em questão de semanas, além de acelerar a taxa de inoculações que, até agora, tem sido mais lenta do que o esperado. No entanto, a nova fase de imunização não começou conforme o planeado, pois várias regiões do país anunciaram a impossibilidade de implementar o programa devido à falta de doses.

É o caso do oeste de Maharashtra, cuja capital, Bombaim, decretou ontem a suspensão total do plano de vacinação por três dias por falta de unidades suficientes para avançar. Precisamente, esta região costeira é a mais afetada pela pandemia: com 62.919 novas infeções e 828 mortes nas últimas 24 horas.

Por sua vez, o Governo de Nova Deli solicitou que apenas pessoas com hora marcada fossem aos centros de vacinação, a fim de evitar aglomerações nas portas dos centros médicos. O dia da vacinação na capital, que também registou grave escassez de vacinas ao longo da semana, começou normalmente.

Desde o início da campanha de vacinação em janeiro passado, o país administrou 155 milhões de doses, 2,7 milhões nas últimas 24 horas, números que estão longe de chegar aos 300 milhões de vacinados que tinham como meta para o mês de julho.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG