Ciência

Estamos a desenvolver um novo osso devido ao uso excessivo do telemóvel

Estamos a desenvolver um novo osso devido ao uso excessivo do telemóvel

A utilização excessiva de telemóvel está a causar transformações no corpo humano. Quem o diz é uma equipa de cientistas australiano, que garante que algumas pessoas estão a desenvolver um osso acima do pescoço, por estarem sempre curvados a olhar para o pequeno ecrã.

Como já tinha sido provado antes, a utilização excessiva dos telemóveis está a causar perda de visão, mas uma outra investigação provou novas consequências do uso excessivo dos telemóveis. Devido à posição que o ser humano utiliza ao olhar para o aparelho, com a cabeça um pouco inclinada para a frente, está a nascer acima do pescoço um novo osso, na base do crânio.

Os investigadores observaram radiografias da coluna cervical lateral, de pessoas entre os 18 e 30 anos de idade, e descobriram 218 casos com este problema, batizado de "protuberância occipital externa". Dessas 218 pessoas, 10% já tinham o novo osso com pelo menos 2 centímetros de comprimento. Os investigadores concluíram que o problema afeta mais os homens (67%) do que as mulheres, de acordo com o jornal espanhol "La Vanguardia".

A cabeça humana, que pesa cerca de 4,5 quilogramas, ao ser inclinada para a frente, para se ver o ecrã do dispositivo, exige uma força adicional do pescoço. Esse esforço prolongado faz com que o corpo humano construa novos tecidos ósseos para suportar a massa. O maior osso encontrado foi de 3,6 centímetros num homem, e 2,7 centímetros numa mulher.

A investigação realizada por David Shahar, da Universidade de Sunshine Coast, na Austrália, com o professor associado Mark Sayers, foi publicada no "Journal of Anatomy" em março de 2016, mas voltou à atualidade devido a uma reportagem da BBC, que explica como a vida moderna está a transformar o esqueleto humano. Para perceber se já tem o novo osso, basta pressionar com os dedos, a parte de trás do crânio, logo acima do pescoço. Se sente um pequeno "chifre" provavelmente já sofre do problema.