Espanha

Julen caiu até aos 71 metros e ficou tapado por terra

Julen caiu até aos 71 metros e ficou tapado por terra

Um efetivo da Guardia Civil resgatou o corpo de Julen este sábado de madrugada. Autópsia revela múltiplas contusões. O funeral realiza-se domingo.

"A posição do corpo indica que Julen caiu direto até aos 71 metros, onde foi encontrado", indicou o delegado do governo da Andaluzia, Alfonso Rodríguez Gómez de Celis, em conferência de imprensa.

"A tese é que durante a própria queda de Julen foi caindo terra por cima. As paredes do túnel são muito arenosas. Mas é uma tese que teremos de investigar", acrescentou.

"O túnel até os 71 metros de profundidade estava totalmente coberto de terra. O ar que poderia existir estava entre os pés e a cabeça [do menino]. Julen ficou tapado com terra", revelou.

Alfonso de Celis acrescentou que "a Guardia Civil gravou toda a operação para ajudar na investigação". E o túnel foi tapado com uma placa de 600 quilos, para evitar qualquer entrada nos próximos dias. "A intenção é encher os dois furos e selá-los, quando houver autorização judicial", explicou.

E deixou um apelo: "Quem tenha feito um furo ilegal na Andaluzia e em Espanha, quem sabe se ainda não vai a tempo de o tapar. Acho que vale a pena que uma tragédia como esta não se volte a repetir".

Nas operações participaram membros da Guardia Civil, bombeiros, mineiros, engenheiros, entre outros. "Foi uma sequência de obstáculos, aqueles que a montanha nos impôs. Parece que a montanha se defendia. Mas todos se focaram nesta missão colossal, que nos uniu a todos, e que nos permitiu fazê-lo da maneira mais rápida e eficaz que foi possível", frisou o delegado do governo da Andaluzia. "Foi feito tudo o que era humanamente e tecnicamente possível", garantiu.

Julen foi encontrado sem vida, pela equipa de resgate, às 1.25 horas locais deste sábado (00.25 horas em Portugal continental). Um efetivo da Guardia Civil resgatou o corpo. A autópsia foi feita de manhã. Há múltiplas contusões que os investigadores consideram coincidentes com o impacto nas paredes do túnel durante a queda, segundo fontes próximas da investigação, citadas pelo jornal "El País". O menino sofreu um "traumatismo cranioencefálico grave", avança o "El Mundo".

Junto ao tanatório de El Palo, familiares, amigos e anónimos aguardaram a chegada de Julen num ambiente de consternação, tristeza e tensão face à presença de muitos jornalistas. O pequeno caixão chegou pelas 16 horas (15 horas em Portugal continental), dando início ao velório. O funeral realiza-se domingo.

"Quando o localizamos sem vida sentimos muita dor. 300 pessoas a trabalhar 24 horas por dia como uma única, sem poupar meios, e não pudemos [chegar a ele com vida]. Isso dói muito". As palavras são de Francisco Delgado Bonilla, responsável dos bombeiros de Málaga. Espelham a vontade dos operacionais em encontrar Julen a mais de 70 metros de profundidade e a impotência perante a passagem dos dias e a impossibilidade de o menino ainda estar vivo.

"Esta situação de emergência nunca tinha acontecido no mundo. Removemos 86 mil metros cúbicos de terra. Agora faremos novos protocolos [de procedimentos], com aquilo que aprendemos", acrescentou.

Autoridades e populares reuniram-se, este sábado pelas 11 horas (10 horas em Portugal continental), em frente à câmara de Málaga, num minuto de silêncio em memória da criança de dois anos, resgatada ao fim de 13 dias, após a queda num túnel de 110 metros de profundidade, com 25 centímetros de diâmetro. O município decretou três dias de luto.

Desde Madrid, o primeiro-ministro espanhol, Pedro Sánchez, fez uma declaração: "Envio a minha solidariedade e o meu carinho à família de Julen. Quero destacar o profissionalismo das equipas de socorro".

"Até agora o objetivo era resgatar a criança. Agora começa a investigação de todas as circunstâncias que levaram a este desfecho fatal", disse o ministro do Interior, Fernando Grande-Marlaska, em conferência de imprensa ao início da tarde.

Na rede social Twitter, a Guardia Civil agradeceu a todos os que "deram o melhor de si mesmos perseguindo um sonho que tragicamente não se concretizou".