Covid-19

Mais 651 mortes em 24 horas em Itália. Há quase 60 mil infetados

Mais 651 mortes em 24 horas em Itália. Há quase 60 mil infetados

Há 59.138 casos positivos e 5476 mortes por Covid-19 em Itália, segundo o boletim da Proteção Civil divulgado este domingo. Em apenas 24 horas, morreram mais 651 pessoas.

Em Itália, desde o início da epidemia da Covid-19, 59.138 pessoas contraíram o vírus Sars-CoV-2 (5560 a mais do que no sábado, com um crescimento de 10,4%). Os dados foram fornecidos pela Proteção Civil. Destas, 5476 pessoas morreram (mais 651 em relação a sábado, num crescimento de 13,5%) e 7024 foram curadas (mais 952, num crescimento de 15,7%).

Atualmente, os casos positivos são 46.638 (a contagem sobe para 59.138, se os mortos e os curados forem incluídos no cálculo).

Os números das últimas 24 horas são inferiores ao anunciados no sábado, quando Itália registou um recorde de 793 mortes face a sexta-feira, assim como 4.821 novas infeções.

Face à redução, o chefe da Proteção Civil italiana, Angelo Borrelli, assinalou que os números de domingo são um pouco melhores e que está confiante de que continuarão a diminuir nos próximos dias, o que significará que o país atingiu o pico de transmissões.

"Os números de hoje são mais baixos que os de ontem. Esperamos que estes números se confirmem nos próximos dias", vincou o responsável, que acrescentou: "Mas não devemos baixar a guarda e devemos continuar a respeitar as indicações e as medidas de isolamento impostas".

O número de pessoas curadas é agora de 7.024.

A Itália é o país com o maior número de mortes por coronavírus do mundo, depois de superar a China na última quinta-feira, que passou três dias sem uma única infeção local.

A Lombardia, no norte do país, continua a região mais afetada, com 27.206 infeções totais e 2.456 mortes, seguida de Emilia Romagna (7.555 infeções) e Veneto (5.122 infeções).

Para a contenção da pandemia, o Governo italiano tem implementado medidas progressivas de isolamento, tendo interrompido, no sábado, as atividades produtivas até 03 de abril, com exceção dos essenciais, como cuidados médicos, a produção agroalimentar, logística e energia.

Supermercados, farmácias, parafarmácia, tabacarias e quiosques, serviços bancários, correios, seguradoras e serviços públicos - como os transportes - continuarão a funcionar.

A medida anunciada pelo Executivo entrará em vigor na segunda-feira, pretendendo limitar ainda mais o contacto entre pessoas de modo a conter a propagação do novo coronavírus.

O novo coronavírus, responsável pela pandemia da Covid-19, já infetou mais de 300 mil pessoas em todo o mundo, das quais mais de 14.000 morreram.

Depois de surgir na China, em dezembro, o surto espalhou-se por todo o mundo, o que levou a Organização Mundial da Saúde (OMS) a declarar uma situação de pandemia.

*Com Lusa