Brasil

Sergio Moro abandona Bolsonaro

Sergio Moro abandona Bolsonaro

O ministro da Justiça e ex-juiz da Lava Jato demitiu-se depois da exoneração do diretor da Polícia Federal.

Segundo o jornal "Folha de S. Paulo", a exoneração foi publicada com as assinaturas eletrónicas do presidente Jair Bolsonaro e de Sérgio Moro, sem este a ter assinado formalmente.

É mais uma polémica a ensombrar o Governo do presidente brasileiro. Depois de dispensar o ministro da Saúde, que lhe fez frente na gestão da resposta à pandemia de coronavírus, defendendo o isolamento social, Jair Bolsonaro fica agora sem a grande muleta de popularidade do seu executivo: Sérgio Moro, o ex-juiz que prendeu o eleito inimigo número um da Direita, o antigo presidente Lula da Silva, o superministro que gere a Polícia e gaba-se da redução dos homicídios, abandonou o Governo. Porque Bolsonaro o desautorizou.

O presidente tentou reverter a decisão do ex-magistrado. Porque é a estrela do Governo, com uma cota de popularidade que quase duplica a do capitão. Mas o cúmulo de contrariedades desde que assumiu a pasta - gerando basta polémica quanto ao interesse em impedir Lula de se candidatar à eleição que consagrou Bolsonaro - é já basto e até a resposta ao novo coronavírus os fazia divergir (Moro estava do lado do demitido Luiz Henrique Mandetta). Retirar do comando da Polícia Federal Maurício Valeixo, ali posto por Moro é apenas a última facada.

A mais forte de todas, até agora, fora mesmo a anunciada intenção de reativar o Ministério da Segurança Pública, o que retiraria a Polícia das competências da Justiça. Ora, gerir os polícias fora uma das condições acordadas para Moro aceitar largar a magistratura que o levou ao estrelato. Agora, mexeu na Polícia à sua revelia, para aumentar o seu controlo sobre ela - recorde-se que Bolsonaro advoga um a estado policial, defendendo que nenhum agente seja perseguido por matar criminosos.

Como recordou o jornal "Folha de S. Paulo", Moro trocara o tribunal pelo ministério por se dizer "cansado de tomar bolas nas costas". E queria, com a propulsão do trabalho ministerial para Bolsonaro, chegar ao Supremo Tribunal, onde deve abrir uma vaga em novembro próximo, ainda que Bolsonaro tenha voltado atrás na promessa.

PUB

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG