O Jogo ao Vivo

Nova Iorque

Suspeito de ataque a Salman Rushdie alega que "só leu duas páginas" de "Os Versículos Satânicos"

Suspeito de ataque a Salman Rushdie alega que "só leu duas páginas" de "Os Versículos Satânicos"

Hadi Matar, suspeito de atacar o escritor britânico Salman Rushdie, alega que leu duas páginas do romance mais controverso do autor "Os Versículos Satânicos", livro que levou à revolta do Islão por "desrespeitar Maomé". O atacante afirma que atuou sozinho.

A defesa de Hadi Matar, de 24 anos, alegou que o suspeito é inocente do esfaqueamento do autor britânico Salman Rushdie, em Nova Iorque, na semana passada.

Numa entrevista que Matar fez da prisão ao jornal "The New York Post", o alegado agressor afirma que vê o autor como alguém que "atacou o Islão" "Eu não gosto da pessoa. Eu não acho que seja boa pessoa. Eu não gosto dele. É alguém que atacou o Islão, atacou as suas crenças", afirma.

PUB

O suspeito, no entanto, não confirmou se o motivo do ataque se deve à fatwa (decreto religioso) emitida em 1989 pelo Líder Supremo do Irão, Ayatollah Khomeini, apelando à morte de Rushdie e dos seus editores, após a publicação em 1988 do livro "Os Versículos Satânicos", o romance que foi considerado por muitos muçulmanos como desrespeitoso em relação ao profeta Maomé.

Matar conta ainda que leu duas páginas do livro polémico, mas deixou claro que apoiava o antigo líder islâmico, autor da fatwa dirigida ao escritor britânico. O acusado negou estar em contacto com o Estado Islâmico e afirma ter atuado sozinho. Na mesma entrevista, declarou ainda que estava surpreendido que Rushdie tenha conseguido sobreviver.

O autor do livro "Os Versículos Satânicos", que andou escondido durante nove anos, foi esfaqueado 10 vezes, tendo ficado com danos no fígado e múltiplos nervos no braço e no olho.

Matar foi acusado de tentativa de homicídio e agressão e foi declarado inocente pelo seu advogado numa audiência no sábado.

No início desta semana, a mãe de Matar contou que deserdou o filho depois de este ter passado uma temporada com o pai e ter voltado "completamente mudado". "Esperava que ele voltasse motivado para completar a escola, para conseguir o diploma e um emprego. Mas, em vez disso, fechou-se na cave sem falar comigo nem com as irmãs durante meses", disse Silvana Fardos.

Matar está em prisão preventiva. Os procuradores temem que ganhe uma recompensa pelo ataque.

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG