Covid-19

Creches vão recusar crianças com mensalidades em atraso

Creches vão recusar crianças com mensalidades em atraso

A confirmação só deve ser feita quinta-feira mas a intenção do Governo é permitir que as creches voltem a funcionar a 1 de junho.

A Associação de Creches e Pequenos Estabelecimentos de Ensino Particular (ACPEEP) defende a "urgente" reabertura ainda em maio e que o regresso não seja apenas para as crianças até aos 3 anos, mas também de jardins de infância e 1.º ciclo. E deixa um aviso: com cada vez mais famílias a falharem o pagamento das mensalidades, as escolas só irão receber as crianças com pagamentos em dia.

"Não é uma questão de represália, mas de respeito e igualdade para com quem fez o sacrifício de pagar", justifica a presidente da ACPEEP, Susana Batista. A Deco, recorde-se, recomendou às famílias negociarem reduções nas mensalidades mas nunca deixarem de pagar, sob pena de perderem a vaga. A associação - que terá cerca de uma centena de associados - recebeu mais de 100 pedidos de esclarecimento de encarregados de educação.

Na carta enviada ao Governo e presidente da República sobre as medidas que devem ser seguidas no desconfinamento, a ACPEEP, alerta que as creches privadas já perderam em média 15% dos seus alunos e os jardins de infância 10%. Apesar do "esforço para reduzir as mensalidades", o incumprimento nos pagamentos disparou entre março e abril, sendo que este mês 35% das creches associadas reportaram uma quebra de faturação superior a 50%.

"É com espanto e desagrado que vemos que o pequeno comércio pode abrir a partir de 4 de maio e nós só a 1 de junho. Onde é que os pais vão deixar as crianças para irem trabalhar?", critica Susana Batista, que receia que alguns estabelecimentos não consigam sobreviver até junho se continuar a agravar-se o cancelamento de inscrições e a falta de pagamentos. A associação reclama a atribuição de um subsídio mensal de 150 euros por família para ajudar a garantir "a sustentabilidade" das creches.

58% dos pais têm medo

De acordo com os resultados de um questionário enviado a creches e encarregados de educação pela ACPEEP, só 42% dos pais pretendem deixar os filhos regressar às escolas.

"Há os que estão desesperados por voltar a trabalhar e os que, por estarem em teletrabalho ou terem filhos mais velhos, têm medo e vão manter-se em casa", explica Susana Batista. A presidente da ACPEEP considera que esse receio até pode ajudar numa fase inicial de regresso à atividade, já que pode permitir "uma redução automática dos grupos".

A ACPEEP aprovou um guia com 28 medidas que devem ser aplicadas na reabertura [ler caixa ao lado]. Sem respostas do Governo, já há colégios a encomendar equipamentos como os termómetros infravermelhos "que acreditamos serão obrigatórios, num contexto de reabertura, e que estão completamente esgotados em Portugal", garante Susana Batista. A ACPEEP pediu ao Governo a regulação do preço de equipamentos de proteção individual, como máscaras, viseiras ou álcool que também serão de uso obrigatório.

Outras Notícias