Covid-19

DGS divulga posição técnica sobre vacinação das crianças

DGS divulga posição técnica sobre vacinação das crianças

Já perto das 23 horas, a Direção-Geral da Saúde divulgou a prometida "posição técnica" que invoca a "incerteza" relativa à circulação emergente da variante ómicron, que "pode originar uma incidência mais elevada nas crianças com 5 a 11 anos do que aquela que foi assumida na análise risco-benefício". Especialistas em pediatria querem esperar.

A ministra da Saúde tinha garantido, esta quinta-feira, no Parlamento, que a nota técnica final da DGS sobre a vacinação em crianças dos 5 aos 11 anos seria "tornada pública", no entanto, importa dizer que o documento hoje divulgado - e que pode consultar aqui - se refere à reunião da Comissão Técnica da Vacinação contra a covid-19 realizada no dia 5 de dezembro e não à realizada esta quinta-feira.

Os treze membros da Comissão Técnica foram unânimes: da posição em causa, que resulta de estudos internacionais e da consulta de fontes científicas, conclui-se que "a avaliação de risco-benefício é favorável à vacinação universal de crianças nesta faixa etária, sendo prioritária nas crianças com comorbilidades consideradas de risco".

Na posição técnica, está patente a "incerteza" relativa à circulação emergente da variante ómicron, que "pode originar uma incidência mais elevada nas crianças com 5 a 11 anos do que aquela que foi assumida na análise risco-benefício". "Não é ainda conhecida a história natural da infeção com esta variante, nomeadamente o risco de hospitalização, contudo a vacinação contra a covid-19 tem demonstrado elevada efetividade contra a doença grave, mesmo perante a emergência de novas variantes que foram associadas a uma menor efetividade vacinal contra infeção", pode ler-se.

Intervalo entre doses em estudo

A Comissão Técnica da Vacinação dá ainda conta de que está em avaliação o melhor intervalo entre doses para as faixas etárias em causa e nota que "mantém o acompanhamento da situação epidemiológica, da evidência científica e das recomendações dos Estados Membros da UE" sobre o caso, podendo alterar a atual recomendação se se justificar.

Reforça ainda "a necessidade de priorizar a vacinação com o esquema vacinal primário todas as pessoas com 12 ou mais anos e a vacinação com dose de reforço para os grupos definidos" pelas autoridades de saúde.

PUB

Pediatras queriam mais evidências

O grupo de especialistas em Pediatria e Saúde Infantil consultados pela Comissão considerou que "deve ser dada prioridade à vacinação dos adultos e dos grupos de risco, incluindo as crianças dos 5 aos 11 anos", defendendo que poderia "ser prudente aguardar por mais evidência científica antes de ser tomada uma decisão final de vacinação universal deste grupo etário".

Mais Notícias

Outros Conteúdos GMG